0

Compartilhe este conteúdo |

Cena do filme "A Cidade Onde Envelheço"Uma jovem portuguesa chega a Belo Horizonte, MG, onde vai dividir casa com outra jovem, também portuguesa, que já está na cidade há cerca de um ano. Esse é o ponto de partida de A Cidade Onde Envelheço, primeiro longa de ficção da cineasta brasileira Marília Rocha, que até agora se dedicava a documentários. A estreia do filme marcou  também o lançamento da versão 2017 da Sessão Vitrine Petrobras. 

Francisca (Francisca Manuel) e Teresa (Elizabete Francisca Santos) são amigas de infância, mas têm personalidades bem diferentes. A primeira é introspectiva e calada, enquanto que a segunda é extrovertida e curiosa. Entre elas, dois sentimentos em comum: o desejo de desbravar novos espaços (a cidade onde envelhecer?) e a saudade de Lisboa. Embora, diante da afirmação de Teresa de que não sabe quanto tempo vai ficar Francisca afirme que está acostumada a viver sozinha, aos poucos vai se abrindo e uma espécie de cumplicidade surge entre elas.

Um filme simples e direto, sem grandes pretensões, A Cidade Onde Envelheço pode ser interpretado como uma tentativa de entender uma certa parcela jovem que busca seu lugar no mundo contemporâneo. Com o fim das grandes certezas e as sucessivas crises econômicas e políticas, mudar de cidade e país parece não ser tão complicado. O difícil é encontrar uma cidade onde se queira ficar.

Poster do filme "A Cidade Onde Envelheço"
Por isso, Belo Horizonte é apenas uma urbe, com seu movimento intenso, seus ruídos, suas multidões, mas sem cara própria. Os relacionamentos são superficiais, rápidos. Como a própria Francisca afirma em um momento: não há mais namoro, apenas relações. Ainda assim, há breves momentos em que um entrosamento genuíno parece existir entre Francisca e o restrito círculo com que convive no restaurante onde trabalha e com Marcelo (Paulo Nazareth), o rapaz com quem tem relações. O objeto de maior afeto de Francisca, porém é Paco, cão de Marcelo que passa uns dias em sua casa.   

Coerente com essa visão e com sua carreira de documentarista, a diretora Marília Rocha investe em improvisação e no uso de só câmera, livre como a atuação das protagonistas, resultando numa narrativa intimista, agradável na maior parte do tempo, mas árido às vezes. Falta ao recorte escolhido pela realizadora um aprofundamento em algum aspecto; não há qualquer tentativa de abordagem sociológica nem antropológica, as comparações entre Brasil e Portugal são muito breves e sutis, os personagens praticamente não se modificam ao longo de suas trajetórias. Um dos pontos altos do filme é a canção Soluços de Jards Macalé, que Francisca dá de presente para o amigo e torna-se um presente para nós. 

Por Gilson Carvalho

Nota 6


Ficha Técnica

A Cidade Onde Envelheço – 109 min
Brasil/Portugal – 2016
Direção: Marília Rocha
Roteiro: Marília Rocha, Thais Fujinaga, João Dumans
Elenco: Francisca Manuel, Elizabete Francisca Santos, Paulo Nazareth, ,Jonnata Doll, Wederson Neguinho


Estreia 9/2



Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top