0





Festival Internacional de Cinema Infantil (FICI) chega à sua 14ª edição oferecendo programação em cinco cidades brasileira, e com meia-entrada a R$ 10 para todos. 

Este ano, o FICI exibirá na Rede Cinemark do Rio de Janeiro e Niterói (16 a 25 de setembro), Salvador e Aracaju (14 a 23 de outubro), e Natal (21 a 30 de outubro) mais  de 100 filmes21 países, entre curtas, médias e longas-metragens. Além disso, haverá oficinas e debates.

O Programa Internacional do FICI em 2016 traz filmes inéditos no Brasil, como a animação Molly, a Monstrinha (2016, Alemanha), dirigida por Michael Ekblad, Matthias Bruhn e o autor e ilustrador Ted Sieger, que produz conteúdo infantil há mais de 30 anos. No filme, a monstrinha, que já protagonizou uma série com 52 episódios e um especial de Natal para TV, deixa de ser filha única e embarca em uma grande aventura. Outro sucesso que será apresentado ao Brasil é a banda finlandesa de heavy metal para crianças Heavisaurus, que estrela o longa Heavysaurs – dinossauros da pesada (Pekka Karjalainen, 2015, Finlândia). O live-action coloca as crianças em papel de protagonistas que precisam salvar o dia, assim como em A sociedade secreta de Souptown (Margus Paju, 2015, Estônia), que também integra o programa.

Este ano, o festival terá a pré-estreia mundial da animação 3D norte-americana Cegonhas: a história que não te contaram (2016), dirigida por Nicholas Stoller e Doug Sweetland. Outro filme inédito nos cinemas brasileiros é Jack e a Mecânica do Coração (2013), que faz parte da Sessão Telecine de Cinema. O filme foi indicado ao Urso de Ouro na Mostra Generation do Festival de Berlim em 2014 e ao César de Melhor Filme de Animação em 2015.

Um dos programas mais concorridos do FICI, a sessão Dublagem Ao Vivo permite que o público conheça e acompanhe de perto o trabalho dos dubladores, assistindo à dublagem em tempo real. Antes de entrar em cartaz no Brasil, dois filmes serão dublados ao vivo no FICI: Lobos e Ovelhas (Maxim Volkov e Andrey Galat, 2016, Rússia) e Mune, o Guardião da Lua (Benoît Philippon e Alexandre Heboyan, 2014, França). Os outros dois filmes que completam a programação são exclusividade do festival: Dofus – Livro 1: Julith (Anthony Roux e Jean-Jacques Denis, 2016, França), que explora o universo do jogo online de RPG Dofus, e Kikoriki, a Lenda do Dragão Dourado (Denis Chernov, 2016, Rússia), segundo filme baseado na série de TV de muito sucesso na Rússia.

Os curtas-metragens também têm um espaço próprio no festival. O FICI selecionou nove filmes internacionais, que prometem muita diversão para os pequenininhos na sessão Pequenos Que Nem Você. Outros nove curtas-metragens premiados compõem a sessão 9x Animação. Dedicada às crianças a partir de oito anos, a sessão faz um panorama mundial com o que há de melhor na animação. Em parceria com o Anima Mundi, o FICI também traz uma seleção especial de curtas-metragens no programa Anima Mundi Para Crianças, composto por curtas de todos os cantos do mundo e de diversos temas, cuidadosamente escolhidos pela produção do festival de animação.
Além das estreias, o festival dá aos pequenos uma segunda chance para conferir grandes sucessos da telona, na mostra Se você ainda não viu. Os americanos Zootopia (Byron Howard e Rich Moore, 2016), O Bom Dinossauro (Bob Peterson e Peter Sohn, 2015) e No Mundo da Lua (Enrique Gato Borregán, 2015, EUA) dividem espaço com a animação francesa O Pequeno Príncipe (Mark Osborne, 2015) e o primeiro filme da saga Kikoriki, Kikoriki, A Turma Invencível (2011), que fez sucesso no FICI 2013.

Além de servir como vitrine das novidades internacionais, o FICI relembra sucessos do audiovisual brasileiro. A trilogia Tainá voltará às telonas com a exibição de Tainá – uma aventura na Amazônia (Tânia Lamarca e Sérgio Bloch, 2000), Tainá 2 – a aventura continua (Mauro Lima, 2005) e Tainá – a origem (Rosane Svartman, 2011) em cópias digitalizadas. No programa Te vi na TV, que destaca os sucessos da telinha, serão exibidos episódios das séries animadas brasileiras As Aventuras de Gui e EstopaQue Monstro te MordeuTronquinho e Pão de Queijo e SOS Fada Manu. Já no programa Especial Brasil, Carrossel – o Filme (Alexandre Boury e Mauricio Eça, 2015) será exibido junto ao inédito O que Queremos para o Mundo? (Igor Amin, 2015).

O festival também permite que as crianças aprendam sobre a magia do audiovisual fazendo seus próprios filmes, na Oficina de Cinema de Animação. Com entrada gratuita mediante apresentação de ingresso para qualquer sessão do FICI, a oficina acontecerá nos dias 24 e 25 de setembro no saguão do Cinemark Downtown, no Rio de Janeiro.

Em uma missão para incentivar a produção audiovisual brasileira direcionada ao público infantojuvenil, o FICI realiza o Prêmio Brasil de Cinema Infantil, atualmente na nona edição. Em 2016, um total de 140 curtas-metragens foram inscritos nas três categorias do prêmio: Histórias Curtas (live-action), Histórias Animadas (animação) e Mostra Teen. Um júri especializado selecionou 26 deles para a final, que será decidida por alunos da rede pública de ensino no primeiro dia do Fórum Pensar a Infância, 21 de setembro. O Fórum Pensar a Infância, atividade integrante do FICI acontecerá entre os dias 21 e 23 de setembro no Centro Cultural Solar de Botafogo, no Rio de Janeiro.

No projeto A Tela na Sala de Aula, professores e alunos da rede pública de ensino e projetos sociais saem da rotina e se divertem juntos, descobrindo o que há de melhor no Cinema. O intuito desta programação é oferecer filmes de diversas nacionalidades que sirvam ao professor como ferramenta de apoio à educação.

Cada filme apresentado possui um caderno pedagógico, com sugestões de atividades, criado a partir dos parâmetros curriculares do Ministério da Educação e dividido por segmento escolar (da educação infantil ao ensino médio), disponibilizado gratuitamente no site do FICI. Pensando no debate e na formação de cidadãos, o FICI promove a Mostra Novos Jovens, um encontro marcado com pré-adolescentes e adolescentes para assistir e discutir  assuntos abordados pelos filmes. Na programação da mostra estão os filmes nacionais O Escaravelho do Diabo (2016), de Carlo Milani, baseado na obra de Lúcia Machado de Almeida, e O Menino no Espelho (2013), de Guilherme Fiúza Zenha, baseado na obra de Fernando Sabino.

Na sessão O Pequeno Cientista, as crianças conversarão com um cientista sobre o longa-metragem em 3D Amazônia (Thierry Ragobert, 2013, Brasil), que conta a história de Castanha, um macaco-prego que vivia em cativeiro e foi solto na Floresta Amazônica. Já a sessão O Pequeno Jornalista, na qual as crianças e um jornalista convidado debatem sobre o filme após a sessão, trará a animação em 3D O Pequeno Príncipe. Depois da exibição, os pequenos jornalistas também têm a oportunidade de escrever suas impressões sobre o que assistiram e a experiência de ir ao cinema.

Mais informações: www.cinemark.com.br

Compartilhe este conteúdo|
 

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top