0

Compartilhe este conteúdo |
Cena do filme "O Lar das Crianças Peculiares"Pobre Jake Portman: Ele é um adolescente comum com um emprego de verão entediante, poucos amigos e dificuldade para falar com garotas. Seus sonhos de infância de se tornar um explorador, alimentados por histórias mirabolantes contadas por seu avô sobre um orfanato onde moravamcrianças com superpoderes, chegam ao fim quando ele descobre que estas não passavam de invenções. Quando o avô, no entanto, é vítima do ataque de um monstro – uma criatura igual à que ele descrevia em suas histórias - Jake parte para o local do antigo orfanato para descobrir o resto da verdade.

Esse é o início (bastante batido) de O Lar das Crianças Peculiares, parecido com tantas outras histórias infanto-juvenis sobre protagonistas que se descobrem possuidores de poderes e um destino especial. Jake descobre que o orfanato (o lar do título) ainda existe, e nele moram “crianças peculiares” como Emma, que precisa usar sapatos de chumbo para não sair flutuando, ou Enoch, que consegue dar vida a objetos inanimados. 

“O Lar das Crianças Peculiares” traz um visual sofisticado e perturbador com a marca de Tim Burton


Todos estão sob a guarda de Alma Peregrine (a esplêndida Eva Green), uma peculiar que preserva o orfanato em um lapso temporal no ano de 1943, em um único dia que, como no filme Feitiço do Tempo, se repete incessantemente. São esses detalhes, aliados à inventividade visual do diretor Tim Burton (em grande forma) que fazem valer o filme. 

Poster do filme "O Lar das Crianças Peculiares"O universo, adaptado do romance do autor Ransom Riggs, está presente em toda a sua criatividade, incluindo uma trama de viagem no tempo capaz de enrolar os neurônios da maioria dos espectadores. Os efeitos especiais altamente apurados dão vida ao enredo que mistura elementos de uma dúzia de histórias infanto-juvenis, e a direção de arte parte para um ambicioso misto de recriação de época (para as cenas no orfanato) com pinceladas góticas e steampunk que deixarão com água na boca os fãs de longa data de Burton. O jogo de atores também tem entre seus pontos positivos o elenco jovem, formado por muitos atores de primeira viagem, e uma amalucada atuação de Samuel L. Jackson como o vilão Barron, líder dos monstros que ameaçam Jake e o orfanato.

Descontados os duvidosos vinte primeiros minutos de filme, trata-se de um sólido longa para toda a família, com uma narrativa envolvente e uma sofisticação visual acima da média para os padrões do cinema americano. Uma ressalva: a veia de terror de Tim Burton por vezes pesa sobre a produção, rendendo algumas cenas que podem ser perturbadoras para crianças pequenas.

Por Franco Alencastro

Nota: 8,5


Ficha Técnica

O Lar das Crianças Peculiares (Miss Peregrine's Home For Peculiar Children ) – 127 min.
EUA/Bélgica/ReinoUnido – 2016
Diretor: Tim Burton
Roteiro: Jane Goldman baseado em romance de Ransom Riggs
Elenco: Eva Green, Asa Butterfield, Samuel L. Jackson, Jude Dench, Ruppert Everett,
Allison Janbey, Ella Purnell, Terence Stamp

Estreia: 29/09

 Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top