0

Compartilhe este conteúdo |



A 11ª Mostra Mundo Árabe de Cinema começará no dia 10 de agosto, em São Paulo. Na abertura, às 20h, no CineSesc-SP, será exibido Os Homens de Argila, de Mourad Boucif.  O evento vai até o dia 28 de agosto, e além do CineSesc, acontecerá no Centro Cultural Banco do Brasil–CCBB-SP, Centro Cultural São Paulo e Biblioteca Mário de Andrade.  

Na programação,  cinco sessões temáticas - Panorama Mundo Árabe; Cinema Palestino; Diálogos Árabe-Latinos; Imagem, Tempo e História e Pequenos Olhares - e encontros com convidados brasileiros e árabes. “Um dos objetivos da Mostra é buscar espaços de diálogo entre as obras de diretores árabes e brasileiros”, ressalta o curador Geraldo Adriano Godoy de Campos.


Mais informações:  http://www.mundoarabe2016.icarabe.org

Programação
Panorama Mundo Árabe
Contempla uma seleção da produção cinematográfica recente dos países árabes, com filmes que são, em sua maioria, inéditos no Brasil. Movimentos humanos e olhares atentos a episódios históricos relevantes para a região são algumas das temáticas que percorrem o conjunto dos filmes.
Destaque para os filmes Os Homens de Argila, Ondas 98, Orquestra Cega, Os Poços, Zinzana e a animação O Profeta, baseada no livro do escritor libanês Khalil Gibran.

Cinema Palestino
A sessão “Cinema Palestino”, uma das janelas de exibição permanentes da Mostra, persiste no objetivo de mesclar filmes clássicos e contemporâneos de cineastas que seguem espalhados pelo mundo, ou que enfrentam a ocupação como realidade cotidiana, fazendo do próprio cinema uma forma muito particular de territorialidade. 
Em 2016, a Mostra exibe Memória Fértil, de Michel Khleifi, um dos filmes mais significativos da história do cinema palestino, Amores, Roubos e Outras Complicações e o curta Ave Maria, indicado ao Oscar 2016.

Diálogos Árabe-Latinos
Sessão emblemática da concepção que sustenta a própria Mostra Mundo Árabe, na medida em que oferece anualmente o cinema como espaço e potência de encontros, de laços e de cruzamentos entre a América Latina e os países árabes. 
O filme chileno Hamule, de Mauricio Misle, insere-se no recorte geral da curadoria de 2016, uma obra que faz coincidir a busca pelas imagens com o movimento constante de retorno e reinvenção da própria temporalidade.

Imagem, Tempo e Memória
Mais do que nunca, precisamos ver e construir algum sentido naquilo que vemos. Esta sessão agrupa uma seleção de filmes que abordam a busca pelas imagens como encontro com outras temporalidades. Os cineastas escavam as possibilidades de representação, como ato de produção de sentido, perante a fragmentação da vida contemporânea.
Destaque para a trilogia de ficção científica de Larissa Sansour: Êxodo no Espaço, Estado-Nação e No Futuro Eles se Alimentaram da mais Sofisticada Porcelana.

Pequenos Olhares
Os três curtas-metragens exibidos nessa sessão nos presenteiam com sonhos e inquietações daqueles que tentam rabiscar futuros possíveis em meio a escombros e esperanças. São três curtas de animação, dois iraquianos e um palestino, produzidos a partir dos desenhos de crianças.
Crianças da Guerra, Desenhando por Sonhos Melhores e O Superman Iraquiano.
 
Serviço

Cinesesc-SP
Rua Augusta, 2075 - Cerqueira César – São Paulo – SP
(11) 3087-0500

CCBB-SP
Rua Álvares Penteado, 112 - Centro, São Paulo – SP
(11) 3113-3651


Centro Cultural São Paulo
Rua Vergueiro 1
000 - Paraíso, São Paulo - SP
(11) 3397-4002

Biblioteca Mário de Andrade
Rua da Consolação, 94 - Consolação, São Paulo – SP
(11) 3775-0002














Compartilhe este conteúdo | 

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook



Postar um comentário

 
Top