2



Derivado da série Vampiro Carioca - baseada no livro As Aventuras do Vampiro Carioca, de Lúcia Chataignier, Vampiro 40º conta a história de de Vlak (Fausto Fawcett), que volta de seus estudos na Transilvânia para tornar-se o senhor da noite carioca. Trabalhando como traficante de “pó vampírico” para a Limbo Corporation, sob supervisão do nefasto Limboman (Laufer), Vlak se encontra insatisfeito e entediado, decidindo retirar seu canino chip (implante de GPS feito pela corporação) e se livrar do controle de seus empregadores. Mas a remoção do chip faz com que o vampiro perca a memória. Vagando pelas ruas da cidade, o protagonista se encontra com os mafiosos da Asia 666 e tem que lutar com o antigo rival Draco (Otto Jr.), que agora tem uma parceira, Dafne (Linn Jardim), uma psicopata que vende membros decepados no mercado negro. Em paralelo a toda essa loucura, a sensual vampira e companheira de Vlak, Michelle (Renata Davies), tenta encontrar o amigo e recuperar sua memória para que eles possam sair das garras da corporação e dominar o submundo.

"Vampiro 40º" é um filme sui generis, com múltiplas referências e resultado interessante

 

Vampiro 40º não é um filme de vampiro qualquer. Também não é um filme brasileiro qualquer. É singular no que ele apresenta: um filme de vampiro carioca, tropical. É difícil classificar o filme como pertencente a algum gênero. Apresar da presença de vampiros e de muita violência serem fortes indícios de que ele se trata de um terror, o filme mostra mais. A narrativa cheia de excessos, com violência, humor negro, sangue e sexo, traz lembranças do gore. A estética do filme e a posição anarquista e underground de seus personagens evoca o Cyberpunk. A presença dos charlatões cariocas e de muito erotismo faz lembrar as pornochanchadas. Mas este também não é o melhor gênero para caracterizar este filme. Então, é melhor deixar como terror mesmo.

Em um Rio de Janeiro bem diferente daquele que vem à mente ou do retratado por outros filmes, a cidade em Vampiro 40° tem um papel importante. Chamada de “sombRio 40graus”, a cidade maravilhosa na obra de Marcelo Santiago é um retrato do submundo (não passa muito longe da realidade) e é a partir dela e de suas particularidades que a trama vampiresca se desenvolve. Nela, o vampiro Vlak e companhia perambulam na tentativa de saciarem seus desejos e dominarem o mercado de “pó vampírico”, se encontrando com mafiosos chineses do Saara Town ou matando androides do sexo na Barra da Tijuca (no filme, o bairro é um local onde androides fazem sexo para gerar energia para a cidade!).

A direção de arte, assinada por Nobuyuki Ogata, merece destaque. As armas do filme, são feitas de um papel recortado e pintado. Alguns personagens usam máscaras na sua caracterização. O filme é todo feito em estúdio, sendo a composição dos cenários feita por chroma key e projeções, saídas inteligentes quando há uma limitação no orçamento e no caso de Vampiro 40º combina bem com o conjunto da obra. A mise-en-scène do filme tem muitas semelhanças ao Teatro Noh e Épico. Mas apesar de toda essa composição trazer muito estilo, tanto os props, quanto os cenários ficam cansativos na medida em que a trama se desenrola. A estética de história em quadrinho empregada no filme parece que alcançaria todo seu potencial se ele, ao invés de um longa-metragem, fosse uma websérie, uma série de TV ou até um quadrinho. 
 
Poster do filme "Vampiro 40º"Durante o filme, demarcando os episódios e acontecimentos, Vlak faz monólogos lamuriando sobre o lamentável estado da cidade e de seus habitantes. O texto, que é muito poderoso, se perde ao longo do filme, e em muitos momentos é muito explicativo, outro problema que poderia não existir se a história fosse contada utilizando outro formato.

A obra é corajosa e foge do convencional, mesclando características do cinema carioca às dos gêneros do terror gore e do fantástico, utilizando sensualidade e violência como contraposição ao que se tem visto no cinema brasileiro do grande circuito. Soma-se a tudo isso uma crítica sobre a política no Rio de Janeiro e a corrupção na cidade, que atingira proporções catastróficas com a preparação para se tornar uma Cidade Evento, transformando-a em um verdadeiro inferno.

Vampiro 40° representa uma inédita empreitada de uma grande produtora brasileira - a LC Barreto - na produção de um longa-metragem de terror e, ainda, coproduzido pelo Canal Brasil (mesmo que este gênero tenha crescido muito, o mercado brasileiro ainda tem dificuldades em investir nas produções do tipo). O filme foi selecionado para integrar a mostra do Fantasporto, um dos mais importantes festivais de cinema fantástico do mundo.

Por Otávio Lima

Nota 6


Ficha técnica

Vampiro 40º  78 min.
Brasil 2016
Direção: Marcelo Santiago
Roteiro: Fausto Fawcett, Henrique Tavares e João Paulo Reys, baseado em Lucia Chataignier, autora de As Aventuras do Vampiro Carioca
Elenco: Fausto Fawcett, Otto Jr, Renata Davies, Linn Jardim, Michelle Hayashi, Laufer, Marcos Winter, Oswaldo Sargentelli

Estreia: 09/06
 
Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

  1. As Aventuras do Vampiro Carioca é um livro genial de Lucia Chataignier. É uma homenagem a um dos maiores contistas brasileiros Dalton Trevisan. O livro foi literalmente destruído pelo medíocre Fausto Fawcett. A série feita pelo Canal Brasil começou respeitando o livro, mas, logo depois, ao entregarem o roteiro ao Fausto, começou a destruição. O livro não tem vampiro nem violência grátis. Como no conto "Vampiro de Curitiba" de Dalton Trevisan, é a história de malandros, aproveitadores, espertos que querem levar vantagem e curtir sexo, só que passado no Rio de Janeiro. Fausto é um megalomaníaco que quer aparecer de qualquer maneira e, por se julgar melhor do que os outros, afirmou para a autora do livro, após a apresentação da série no Canal Brasil, que nunca tinha lido o livro. Típico da mentalidade brasileira ignorante de uma pessoa que se acha melhor do que todo mundo,. Um medíocre. Marcelo Santiago fez o que pode para levar uma história absurdamente adaptada para o cinema. Mas não dava. É ruim demais para se tornar um representante da 7ª arte. O cinema brasileiro sofre da doença dos megalomaníacos, que se acham os melhores do mundo e só produzem lixo, infelizmente.

    ResponderExcluir
  2. ONDE ESTÁ O COMENTÁRIO QUE FIZ SOBRE O FILME VAMPIRO 40º. FOI CENSURADO? O PT AINDA MANDA NESTA REDE?
    QUERO SABER PORQUE NÃO FOI PUBLICADO? O FILME É RUIM, A ADAPTAÇÃO DO LIVRO "AS AVENTURAS DO VAMPIRO CARIOCA" É CRIMINOSA, O FAUSTO É UM INCOMPETENTE ROTEIRISTA, MEGALOMANÍACO E ADPTOU UM LIVRO QUE NÃO LEU, DITO POR ELE MESMO PARA A AUTORA.

    ResponderExcluir

 
Top