0

Cena do filme "Um doce refúgio"
Quase todo mundo tem um sonho secreto, um desejo irrealizável.  Na comédia Um Doce Refúgio, Michel (Bruno Podalydès) parece querer voar, já que é um grande admirador da Aéropostale, o correio aéreo francês.  Quando ganha de presente um curso de aviação, porém, ele revela ter medo de altura. Sua mulher Rachelle (Sabrine Kiberlain) e amigos que sempre o viram colecionando fotos e objetos relacionados a aviões. ficam atônitos, mas não ligam muito. já sabem que Michel é um pouco excêntrico. 

Percebemos que ninguém o conhece realmente. O que Michel procura na verdade é escapar da realidade, de sua vida confortável, mas totalmente previsível e segura.  Voar significa deslizar no vazio, sem atribulações. Por isso, encanta-se com um caiaque e com a possibilidade de sair remando rio abaixo, sozinho, sem compromissos. É como um avião (título origina), só que na água. Michel embarca secretamente na ideia e, como é um homem extremamente sistemático e meticuloso, providencia diversos equipamentos de segurança, além de uma embarcação que ele mesmo monta em seu apartamento. Apesar da surpresa, sua mulher o apoia e, com alguma hesitação, ele parte para sua aventura.

“Um Doce Refúgio” é o sonho de todo homem de meia-idade: aventura, romance e sexo, não necessariamente nessa ordem 


Poster do filme "Um doce refúgio"
Um Doce Refúgio  é uma verdadeira egotrip de Podalydès; ele é o autor do roteiro, diretor e protagonista do filme (que ainda conta com a participação do seu irmão Denis no papel de seu chefe). Por isso, nessa comédia ele pôde realizar todos os sonhos da maioria dos homens de meia idade, Sua esposa é compreensiva e carinhosa  e, apesar de não ser exatamente bonito nem sensual, ele conquista várias mulheres e sua pequena viagem é um sucesso relativo: ele não vai muito longe, mas se diverte muito. 

Os espectadores também não têm do que se queixar: Michel tem um jeito engraçado: super preocupado com tudo e detalhista ao extremo, acaba se atrapalhando com quase tudo e  provocando muita oonfusão, mas sempre de modo involuntário. Por isso, atrai a simpatia de todos (exceto um pescador. que ele jura que é o veterano ator Pierre Arditi, que o detesta). Há muita comédia física, que Podalydès executa muito bem e muitos desencontros que no final se mostram felizes. É para relaxar e curtir. 
Por Gilson Carvalho

Nota 7


Ficha Técnica

Um Doce Refúgio (Comme um avion) 105 – min.
França – 2016
Direção: Bruno Podalydès
Roteiro: Bruno Podalydès
Elenco: Bruno Podalydès, Agnès Jaoui, Sandrine Kiberlain, Vimala Pons, Demi Podalydès


O Cinema está na Rede e também no TwitterO Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top