0

Cena do filme "A Bruta Flor do Querer"A Bruta Flor do Querer está sendo lançado como "um libelo da juventude brasileira contemporânea",  mas não é bem assim. No máximo, o filme de Dida Andrade e Andradina Azevedo representa um olhar de um jovem paulistano, como aliás, fica bem claro já na abertura do filme, em que Diego (Dida Andrade), protagonista e narrador, localiza a história em São Paulo, onde mora e trabalha (ou tenta) como cineasta e enfrenta as dores do crescimento, o que inclui uma paixão não correspondida.  

Diego é um jovem recém-formado que luta por um lugar ao sol no dificil mercado cinematográfico. Ao lado do amigo e colega, elabora projetos que são exatamente a história deles próprios, principalmente de Diego que, na impossibilidade de realizar filmes, começa a gravar videos de eventos como casamentos e festas. Essas atribulações, além da paixão platônica por Diana (Diana Motta), uma bela garota que trabalha em um sebo, pertubam sua vida, que segue numa espiral descendente. 

 "A Bruta Flor do Querer": dificuldades de fazer cinema num filme aquém de suas possibilidades 


Poster do filme "A Bruta Flor do Querer"Partindo da metalinguagem, o filme começa vigoroso, pondo em questão a profissão de cineasta, mas se dilui ao descrever, bastante literalmente, a incapacidade do protagonista em lidar com as frustrações da vida. Há momentos bem interessantes, como quando ele tenta injetar um pouco de inteligência na proposta de uma peça de teatro de fim de ano de uma escola, e é rechaçado pelo diretor, que quer algo "bem simples."  

A Bruta Flor do Querer foi feito à base de garra e camaradagem, com pouquíssimo dinheiro e sem qualquer tipo de subsídio ou patrocínio, como os diretores/roteiristas/atores fazem questão de frisar. Não deveria ser motivo para tanto descuido nos diálogos e alguns momentos de pura egotrip. Mais bem trabalho, o escárnio, o cinismo teriam melhor resultado.  Há muita droga, alguma nudez, linguagem extremamente coloquial. Nada disso seria problema se houvesse um conteúdo que o justificasse.

Como em tudo, algo se salva; no caso, a trilha sonora. Tem Elis Regina (20 Anos Blues),  Gal Costa (Baby), Mutanttes (Meu Refrigerador Não Funciona), além de peças clássicas de Erik Satie, Ravel e Tchaikovsky. 

Por Gilson Carvalho

Nota 6,5 



Ficha Técnica

A Bruta Flor do Querer – 76 min.
Brasil - 2015
Direção: Dida Andrade e Andradina Azevedo
Roteiro: Dida Andrade e Andradina Azevedo
Elenco: Dida Andrade, Andradina Azevedo, Diana Motta, Danilo Grangheia

Estreia: 07/04


Postar um comentário

 
Top