1

Compartilhe este conteúdo |

Cena do filme "Amor em Sampa"
A passagem da franquia “Cidades do Amor” (que reúne em um longa-metragem várias histórias de amor curtas, sempre centradas em uma cidade) pelo Rio de Janeiro pelo visto deixou um gosto ruim na boca da atriz Bruna Lombradi. Seu mais recente filme (assinado em parceria com a dupla Carlos Alberto e Kim Ricelli), Amor em Sampa, parece ser uma tentativa de corrigir essa injustiça, trazendo o formato de fazer um panorama da cidade com várias histórias de amor para São Paulo, com o diferencial de que as histórias aqui são todas interligadas e que o filme é um musical.

Temos já nessa segunda decisão uma das bolas-fora (se preparem, porque são muitas) do filme: os números musicais pouco adicionam à trama e recaem sempre em um pastiche constrangedor de jazz-Broadway / Las Vegas.

O bom elenco não salva "Amor em Sampa", que tem diálogos artificiais e piadas sem graça


Tampouco o elenco consegue salvar essa produção do naufrágio: Apesar de contar com bons nomes em quase todos os papéis (como Rodrigo Lombardi, Eduardo Moscovis e Miá Mello), eles oferecem ou atuações sofríveis (o ex-galã Carlos Alberto Ricelli como um taxista supostamente sábio, mas que oferece só frases de efeito vazias ao longo do filme), ou tentam fazer seu melhor, mas ficam presos em papéis mal-escritos (Rodrigo Lombardi, cujo personagem, em uma cena grotesca, compara o câncer de mama da mulher que ama com suas... dificuldades profissionais). A maioria dos papéis é rasa e baseada em estereótipos, como o do casal gay formado por Tiago Abravanel e Rafael Cortez.

Poster do filme "Amor em Sampa"Diálogos artificiais e piadas sem graça, frequentemente de cunho machista (menção desonrosa para um número musical estrelado por Kim Ricelli, no papel de um diretor de teatro pegador, sobre como “mulheres são todas iguais” – isso depois de ele ter passado o filme todo abusando de sua posição para ‘se dar bem’ com jovens atrizes) completam esse quadro pavoroso. 

Dirigido por um trio pai-mãe-filho (os três também atuam no longa, em posições de destaque), o filme tem cara de panelinha, como um projeto de família para passar o tempo, e provavelmente deveria ter permanecido assim. A família de Bruna Lombardi deve ter se divertido durante a produção, mas a sua família não irá.

Não deixe os grandes nomes do elenco te enganarem: Amor em Sampa é um fiasco artístico e desde já um dos maiores vexames do ano.

Por Franco Alencastro 

Nota: 2,5



Ficha Técnica

Amor em Sampa -  113 min.
Brasil - 2016
Direção: Carlos Alberto Ricelli, Kim Ricelli 
Roteiro. Bruna Lombardi
Elenco: Bruna Lombardi, Carlos Alberto Ricelli, Rodrigo Lombardi, Eduardo Moscovis, Miá Mello, Tiago Abravanel, Rafael Cortez.

Estreia 25/03


Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

  1. Vc ė um fiasco....o Tiago Abravanel não faz par com Rafael Cortez...e sim com Marcello Airioldi...ô Gloria Pires...presta atençãooooooo!! Vc ė uma Antaaaaa!

    ResponderExcluir

 
Top