0

Compartilhe este conteúdo |

Cena do filme Macbeth: Ambição e Guerra
Uma das mais lendárias peças do dramaturgo inglês William Shakespeare, Macbeth já foi adaptado dezenas de vezes para o cinema e para a televisão, transposto para o mundo da Yakuza japonesa, da criminalidade de Mumbai e até para um restaurante de fast-food (o filme Scotland, Pa, de 2001). Pode se fazer a pergunta, então: é possível contar uma nova versão da famosa “peça escocesa” sem cair no lugar comum? Macbeth; Ambição e Guerra, do diretor Justin Kurzel tenta responder essa pergunta. Infelizmente, pelo menos em se tratando dessa adaptação, a resposta é não.

O enredo do filme de Kurzel segue de forma bastante fiel a peça de Shakespeare: Lorde Macbeth (Michael Fassbender), campeão do Rei Duncan (David Thewlis) recebe a profecia de três bruxas de que se tornará Rei da Escócia. Macbeth, influenciado por sua esposa (Marion Cotillard) decide agir em cima dessa profecia e assassinar o rei, tomando o seu lugar. Logo, porém, Macbeth se vê tomado pela paranóia de seu crime ser descoberto e de tentarem tomar o trono de si da mesma forma que ele o tomou de Duncan. Gradualmente, Macbeth se isola de seus aliados, contribuindo para sua própria queda.

"Macbeth: Ambição e GuerraAlgo ruim vem por aí



Poster do filme Macbeth: Ambição e Guerra
Kurzel ressalta o aspecto dramático e trágico da história por meio de uma direção que vê todos os atores declamarem suas falas (tiradas integralmente do texto original de Shakespeare) com uma severidade de pedra. Esse recurso, contudo, empregado ao longo dos 113 minutos de duração do filme, se exaure rapidamente ao imprimir uma austeridade implacável a cena após cena. A natureza estática do tom do filme, sempre cinzenta e mau-humorada, oferece pouca dinâmica à transformação de Macbeth, em uma rara atuação infeliz de Fassbender: é muito pouco humano o guerreiro medieval do começo do filme para que sua posterior queda tenha algum efeito sobre o espectador. Cotillard é uma que se salva no meio de um elenco pouco inspirador, imprimindo a dose certa de malícia e perigo à sua Lady Macbeth.

Em uma decisão que deve ter sido influenciada pelo sucesso da série Game of Thrones, Kurzel situa seu Macbeth em uma Escócia medieval suja e sombria, com uma provável intenção de realismo. O diretor, contudo, pouco consegue realizar com esse cenário, e as famosas paisagens verdes da Escócia não marcam presença: névoa, pedregulhos e acampamentos mal-iluminados alimentam a severidade “medieval” de tudo o mais a aparecer. Visualmente, assim, o filme também não empolga, e o diretor, com a exceção de algumas sequências no final, parece hesitar em imprimir um traço autoral á maioria das cenas, resultando em uma adaptação bastante seca e que pouco tem a oferecer a quem já conhece a obra de Shakespeare. Fica uma oportunidade desperdiçada de realizar uma adaptação mais inventiva da obra do Bardo, e que permitisse a mais leitores descobrí-la. A isso, eu digo: Hélas, pobre Yorick!

Por Franco Alencastro 

Nota: 5



Ficha Tecnica

Macbeth: Ambição e Guerra (Macbeth) - 113 min. 
EUA/UK - 2015
Diretor: Justin Kurzel
Roteiro: Todd Louiso, Michael Lesslie, baseado na peça de William Shakespeare
Elenco: Michael Fassbender, Marion Cotillard, David Thewlis, Paddy Consibine, Jack Reynor, Sean Harris, Elizabeth Debicki, David Hayman

Estreia 24/12

Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top