0

Compartilhe este conteúdo |


Cena do filme "A Corrente do Mal"
O segundo longa de David Robert Mitchell surpreendeu. Selecionado para a Semana da Crítica do Festival de Cannes 2014, Corrente do Mal agradou público e crítica e teve inesperado sucesso nas bilheterias americanas.

A trama gira em torno de Jay Height (Maika Monroe), uma adolescente de 19 anos em uma entediante Detroit, que está começando a sair com um rapaz chamado Hugh (JakeWeary). Após a relação sexual, ele a alerta sobre uma maldição que acaba de transmitir a ela: a garota passará a ser perseguida por uma espécie de entidade maligna que só ela é capaz de enxergar, e que pode assumir a forma de qualquer pessoa (indivíduos bizarros, muitas vezes nus, pessoas conhecidas ou não).Esses seres caminham lentamente, mas uma hora eles sempre alcançam o amaldiçoado em questão. A única coisa que Jay pode fazer é passar a maldição adiante, tendo relação sexual com alguém; desta maneira, os seres malignos perseguirão o último amaldiçoado, mas, uma vez que o tenham pego, voltam a perseguir o penúltimo portador da maldição. 

“Corrente do Mal”: com tensão constante, visual vintage e trilha sonora de destaque, o longa se sobressai


Andava bem desiludida com os filmes de horror produzidos de uns anos para cá, tanto que é bem difícil me fazer sair de casa para conferir algum lançamento do gênero. Feliz e inesperadamente, Corrente do Mal trouxe algo diferente da mesmice susto-sangue-susto-sangueque esperava encontrar.

Em um primeiro momento, a premissa pode não parecer tão atraente – a ideia de pegar uma maldição fazendo sexo e ter de repassá-la me sooualgo estúpida, confesso. Mas... muita calma! Este é um daqueles casos em que vale a pena despir-se de pré-julgamentos e embarcar no que a história tem a oferecer.

Logo nos primeiros minutos acompanhamos uma outra adolescente que, visivelmente, foge de algo que nem as poucas pessoas que ela encontra nem os espectadores conseguimos entender de quê. O desespero da garota e o desfecho dessa fuga cria o clima que nos seguirá durante todo o longa.

De baixo orçamento e carregando um quê vintage no visual, o filmetraz atmosfera de tensão permanente. O medo é o mais simples e instintivo que há: o de morrer, pura e simplesmente;neste caso nas mãos de um ser humanoide esquisito.

Aqui, David Robert Mitchell bebe de fontes clássicas e trabalha bem com o já há muito conhecido, e é isso o que justifica o merecido destaque que obteve esse terror indie. As tomadas longas e a amplidão dos espaços captada pela câmera contribuem para o medo e a sensação de alerta – algo pode surgir a qualquer momento e de qualquer canto.

Um ponto que nem de longe passa despercebido é a trilha sonora assinada por Disasterpeace (ou Richard Vreeland), conhecido pelo trabalho com chiptune – música produzida a partir de chips de som de computadores e videogames antigos. De viberetrôe repleta de sintetizadores, a trilha embala os momentos de suspense e leva a tensão de quem assiste às alturas.

Poster do filme "A Corrente do Mal"Ainda, não dá para deixar de mencionar um possível conteúdo metafórico inserido na trama, embora Mitchell afirme não ter pensado nisso ao conceber o roteiro. A maldição adquirida por jovens através do sexo pode ser relacionada tanto às doenças sexualmente transmissíveis, quanto com a perda da virgindade – e da inocência – e o peso que isso pode significar para as jovens em idade escolar (falatórios e julgamento da parte de outros jovens). Se as metáforas cabem ou não, não importa tanto; o mais interessante mesmo são as variadas possibilidades de interpretação, os diferentes olhares sob os quais a obra pode ser vista.

Mais para o lado do suspense do que do terror propriamente dito, Corrente do Mal agarra o espectador a partir dos minutos iniciais e entrega uma trama justa e instigante – não se deixe levar pelas primeiras impressões de uma sinopse, essa é a lição. Além, claro, de uma trilha sonora que vale a pena ser ouvida mais uma e outra vez. 

Por Aline T.K.M.

Nota 7,5


Ficha Técnica

Corrente do Mal (It Follows) – 100 min.
Estados Unidos – 2014
Direção: David Robert Mitchell
Roteiro: David Robert Mitchell
Elenco: Maika MonroeKeirGilchristDaniel Zovatto, Lili Sepe, Olivia Luccardi, JakeWeary


Estreia: 23/07


O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top