0



Cena do filme "As Maravilhas"
Personagens complexos em uma história cheia de lacunas fazem com que As Maravilhas, segundo longa de Alice Rohrwacher, não se comunique muito bem. No entanto, um tema interessante – a passagem da infância para a vida adulta, ótimo elenco e belas imagens podem despertar a curiosidade do espectador mais aberto á obras não convencionais. Essas características valeram ao filme Grande Prêmio do Júri do Festival de Cannes de 2014. 

No interior da Itália, a adolescente Gelsomina (Maria Alexandra Lungu) é o braço direito de seu pai, Wolfgang (Sam Louwyck) um apicultor idealista e refratário às mudanças que o mundo moderno traz ao campo. No entanto, as dificuldades financeiras acossam a família composta ainda por de Angélica (Alba Rohrwacher), mulher de Wolfgang, mais três filhas menores, e a agregada Coco (Sabine Timoteo). A chegada de um menor delinqüente alemão, Martin (Luis Huilca Logrono) e uma espécie de reality show sobre os habitantes originais da região, os etruscos, podem resolver a vida da família, não sem trazer conflitos também.

"As Maravilhas" propõe uma reflexão sobre as dores do crescimento


Poster do filme "As Maravilhas"Com poucos diálogos, a narrativa se baseia na relação entre os personagens. É claro o desejo de Gelsomina de crescer e desvencilhar-se do domínio do pai, ainda que o amor que sente por ele a façam obedecê-lo sempre. Também fica evidente o respeito de Wolfgang pela filha, que não quer ver crescer e se tornar mulher. A chegada do menino alemão aumenta essa tensão, já que representa exatamente a possibilidade, para o pai, de ser trocado por outro homem. Ao mesmo tempo, Martin ocupa o papel do filho que ele nunca teve.

Com uma estética neo-realista – algumas cenas parecem ter sido feitas para um documentário sobre apicultura, As Maravilhas propõe uma reflexão sobre as dores do crescimento, seja do ponto de vista individual – de Gelsomina, seja como visão pessimista do progresso, posição de Wolfgang. No entanto, a falta de contextualização, principalmente no que diz respeito à origem da família e de alguns personagens, como Coco e Adrian, um visitante que fala alemão (amigo? irmão? primo?). Só que o se percebe é que Wolfgang e Angélica falam, alternadamente, italiano, alemão e francês.

Também é intrigante a participação de Monica Bellucci, que faz a apresentadora do programa de TV que fascina as crianças. Vestida como uma espécie de sereia extremamente brega, parece estar ali apenas para prestar uma homenagem a Fellini.

Por Gilson Carvalho

Nota 7


Ficha Técnica

As Maravilhas (Le Meraviglie) - 111 min.
Itália/Suiça/Alemanha - 2014
Direção: Alice Rohrwacher
Roteiro: Alice Rohrwacher
Elenco: Maria Alexandra Lungu, Sam Louwyck, Alba Rohrwacher, Sabine Timoteo, Agnese Graziani, Luis Huilca Logrono, Eva Morrow, Maris Stella Morrow, Monica Bellucci, Margarethe Tiesel, Andre M. Hennicke

Estreia: 16/04

Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top