0

Compartilhe este conteúdo |

Cena do filme "O Jogo da Imitação"
Alan Turing foi um brilhante matemático, responsável pela invenção de uma máquina que seria a base para o computador. Sua vida e, principalmente, sua contribuição para o fim da Segunda Guerra Mundial, é mostrada no drama O Jogo da Imitação, de Morten Tyldum, com Benedict Cumberbatch no papel do cientista.

Durante a guerra, Alan Turing se ofereceu ao governo britânico para tentar decifrar o Enigma, máquina usada pelos alemães para criptografar mensagens. Com um time de ótimos matemáticos, criou um secreto centro de pesquisas em Bletchley Park, ao norte de LondreS, disfarçado em fábrica de rádios. Sua genialidade com números, códigos, que vinha da infância, não era acompanhada de habilidade para lidar com seres humanos.  Talvez por isso, e pela demora em conseguir resultados, quase teve seu trabalho abortado, mas conseguiu convencer o primeiro ministro Winston Churchill a apoiar seus esforços. Não conseguiu, porém, vencer o conservadorismo britânico, que o condenou por indecência, já que era homossexual, em uma época em que isso era crime.

Poster do filme "O Jogo da Imitação"Baseado no livro Alan Turing: The Enigma, de Andrew Hodges, o roteiro de Graham Moore é superficial e cheio de furos. A inconsistência começa na seqüência inicial, em que Turing supostamente tem o apartamento invadido, mas nada é roubado e ele não quer prestar queixa. Mesmo assim, um detetive resolve investigá-lo e o processo termina com sua condenação por “indecência.” O texto de Moore também atribui a uma paixão juvenil o ímpeto de Turing para perseguir seus objetivos, o que seria comprovado pelo fato de ele ter batizado a máquina de “Christopher”, nome do colega da escola que era objeto de seu amor.

A direção do norueguês Tyldum é protocolar. Por sorte, Benedict Cumberbatch é um grande ator e faz um trabalho respeitável. Além disso, é favorecido pelo pequeno espaço concedido aos outros personagens, que poderiam contribuir para dar mais dramaticidade ao longa. Apenas Keira Knightley tem um certo relevo porque interpreta Joan Clarke única mulher do grupo, única do grupo com quem Turing tinha amizade verdadeira e com quase se casou para mantê-la no projeto, já que mulheres também sofriam preconceitos e ela era pressionada pela família a se casar e se tornar uma dona-de-casa.  Se a homenagem ao cientista é mais do que bem-vinda, não há dúvida que cinematograficamente O Jogo da Imitação é apenas regular. 

Por Gilson Carvalho 

Nota 7 



Ficha Técnica

O jogo da imitação (The Imitation Game) – 115 min.
Reino Unido/Estados Unidos – 2014
Direção: Morten Tyldum
Roteiro: Graham Moore, baseado em livro de Andrew Hodges
Elenco: Benedict Cumberbatch, Keira Knightley, Matthew Goode, Mark Strong, Rory Kinnear, Charles Dance, Allen Leach, Matthew Beard, Alex Lawther

Estreia 05/02

Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top