0

Compartilhe este conteúdo |


Cena do filme "Corações de Ferro"
Corações de Ferro é um filme de guerra em que não há heróis. O drama escrito e dirigido por David Ayer se distancia da maioria das produções do gênero, que quase sempre colocam os americanos como salvadores da pátria, e busca mostrar a irracionalidade dos conflitos armados. Mesmo o personagem principal Don “Wardaddy” Collier, representado por Brad Pitt, é um soldado cheio de contradições.

Durante a Segunda Guerra Mundial, um grupo de soldados americanos se move pelos campos de batalha na Europa executando, da melhor maneira possível, sua missão: matar.  Seu veículo, um tanque apelidado de Fury (Fúria, nome original do filme) é um ambiente sufocante em que se alternam momentos de euforia, depressão e até desespero. Ao longo do rastro de destruição que vai deixando pelo caminho, os laços entre os combatentes se reforçam e pelotão vai se tornando cada vez mais coeso. Também vão surgindo as personalidades de cada um. Há o impulsivo Grady “Coon-Ass” Travis  (Jon Bernthal), o religioso Boyd “Bible” Swan  (Shia LaBoeuf), o apaixonado hispânico Trini “Gordo” Garcia (Michael Peña), liderados pelo carismático e experiente Don.

“Corações de Ferro” nos leva até o interior da guerra – e o que se vê não é bonito


Poster do filme "Corações de Ferro"Até que chega Norman Elison (Logan Lerman), um jovem datilógrafo inocente que parece ter caído no lugar errado, na hora errada. A ele, Don dá um conselho sábio: faça seu trabalho da melhor maneira possível e não se apegue a ninguém. É principalmente através dos olhos de Lerman que passamos a ver a guerra. Entre pavor, repulsa e perplexidade, o rapaz vai compreendendo lentamente que está em uma espécie de jogo de vida ou morte.  

O ponto alto de Corações de Ferro são as batalhas, muito intensas e realistas. Mas, por serem detalhistas, acabam deixando a narrativa um pouco lenta. Percebe-se que a intenção era criar tensão, mas na prática isso não acontece. Embora fuja do maniqueísmo fácil, o longa não escapa de um certo sentimentalismo, que comparece, por exemplo, na relação entre Don e Norman, baseada no paternalismo, e na trilha sonora exagerada. A boa fotografia, em tons frios, que contrastam com o quente das bombas, granadas e tiros, e o bom desempenho dos atores garantem o interesse, principalmente para os aficionados pelo gênero.  

Por Gilson Carvalho

Nota 7


Ficha Técnica

Corações de Ferro (Fury) - min.
EUA – 2014
Diretor: David Ayer
Roteiro: David Ayer
Elenco: Brad Pitt, Logan Lerman, Shia LaBoeuf, Jon Bernthal, Michal Peña, Jim Parack, Brad William Henke, Jason Isaacs

Estreia: 05/02

Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top