0

Compartilhe este conteúdo |

Cena do filme "Mil Vezes Boa Noite"
Uma fotógrafa de guerra dividida entre sua vocação e a família é o centro do filme Mil Vezes Boa Noite, co-escrito e dirigido por Erik Poppe. Protagonizado pela atriz francesa Juliette Binoche, o drama recebeu vários prêmios Amanda, o principal do cinema da Noruega, país natal do diretor. 

O longa começa com uma sequencia impactante: em algum lugar do Oriente Médio, uma moça ainda viva protagoniza seu enterro simbólico e depois é preparada para ser uma mulher-bomba. Testemunhando e registrando tudo com sua câmera fotográfica está Rebecca (Binoche). O sangue frio que a profissional inicialmente demonstra é aos poucos substituído pelo assombro de perceber que muitas pessoas se tornarão vítimas daquele ato extremo e ela acaba se envolvendo mais do que deveria.

De volta a sua casa na Irlanda, ainda sob o impacto do evento trágico, Rebecca percebe o retraimento da família, formada por seu marido Marcus (Nikolaj Coster-Waldau) e duas filhas, e decide abrir mão desse tipo de trabalho. Porém, ao ser estimulado a ir a África com a filha mais velha Steph (Lauryn Canny) para que esta faça um trabalho escolar, e se ver em meio a uma situação de potencial perigo, ela percebe que não será fácil ser uma “pessoa normal”

Juliette Binoche carrega toda a carga dramática de "Mil Vezes Boa Noite" 


Poster do filme "Mil Vezes Boa Noite"Com uma narrativa relativamente fácil de compreender, Mil Vezes Boa Noite peca ao lançar sobre a personagem principal toda a carga dramática. Há poucos diálogos, e Juliette Binoche precisa transmitir todas suas emoções e conflitos pelo olhar. Não seria tarefa difícil para a excelente atriz, mas falta, exatamente, o outro lado, o antagonismo, o motivo pelo qual ela tenha que se empenhar em mudar. Nicolaj Coster-Waldau, também bom ator, não tem muito material para trabalhar; há poucas cenas em que eles interagem e esses breves contatos não têm muita sutileza. 

Há momentos em que parece que Rebecca vai encontrar essa motivação, belas sequencias de romantismo não convencional, mas em geral tudo é subjetivo e depende apenas da relação com as filhas e com o marido, que é professor de biologia e faz um ótimo trabalho com crianças, a casa, o local onde moram. Exceto por sua chefe, com quem fala apenas pela internet, e que insiste para ela voltar ao trabalho que a tornou célebre, e os raros instantes em que Marcus demonstra sua dificuldade em lidar com aquela situação, não se fala sobre o assunto. 

As melhores sequencias acabam sendo aquelas que mostram a fotógrafa no ambiente que a excita e a provoca, que a fazem sentir viva: a meticulosa preparação para a auto-explosão, o ataque de guerrilheiros no campo de refugiados. O restante é uma boa ideia que não se realiza plenamente, apesar do esforço da atriz principal.

Por Gilson Carvalho

Nota 6,5


Ficha Técnica

Mil Vezes Boa Noite (A Thousand Times Good Night ) – 117 min.
Noruega/Irlanda/Suécia - 2013
Direção: Erik Poppe
Roteiro: Erik Poppe, Harald Rosenløw-Eeg
Elenco: Juliette Binoche, Nikolaj Coster-Waldau, Lauryn Canny


Estreia 06/11


O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top