0

Compartilhe este conteúdo |

Cena do Filme "O Homem Duplicado"
O outro lado de sua identidade pode estar... em outra pessoa.  Essa é a premissa de O Homem Duplicado, do canadense Dennis Villeneuve, no qual Jake Gillenhaal dá vida a dois personagens. Baseado em romance do português ganhador do Nobel José Saramago, o filme tem uma atmosfera enigmática e sufocante, evocando Kafka. 

A história começa com uma epígrafe: “Caos é uma ordem ainda não decifrada.” A partir daí, vemos Adam Bell (Gyllenhaal), um professor universitário que diariamente repete as mesmas ações, de modo quase automático. Mesmo sua relação amorosa com Mary (Mélanie Laurent) é fria e controlada. Por sugestão de um colega, assiste a um filme em que um dos atores é idêntico a ele. Uma busca na internet e dois outros filmes assistidos depois, ele está intrigado com tamanha semelhança. Encontrar Anthony Claire (Gyllenhaal) torna-se uma obsessão. 

Hesitante a principio, o ator aceita reunir-se com o estranho, e após um momento de estranhamento, vai além: propõe trocarem de papéis. Adam adentra então um mundo desconhecido, que inclui Helen (Sarah Gadot), a esposa grávida de Claire e uma fantasia erótica que remete a De Olhos Bem Fechados (1999), de Stanley Kubrick, envolvendo aranhas. 

Baseado em romance de Saramago, "O Homem Duplicado" é um suspense com tom kafkiano


Poster do Filme "O Homem Duplicado"
O tema do duplo é bastante explorado em literatura e no cinema.  Edgar Allan Poe, Robert Louis Stevenson e este José Saramago são exemplos. No cinema, o Doppelgänger -  termo alemão que se refere ao ser “duplo” de uma pessoa, pode ser citado, entre outros A Dupla Vida de Véronique (1991), de Krzysztof Kieslowski. Além dessas referências óbvias, esta produção de Villeneuve remete ao também canadense David Kronenberg e o americano David Lynch.

O maior destaque é sem dúvida a interpretação de Gyllenhaal, que contracena com ele mesmo, numa interpretação sutil mas marcante o suficiente para dar credibilidade às duas diferentes personalidades. O clima de mistério e perversão também tem forte apelo, embora a narrativa às vezes pareça perder fôlego. Finalmente, algumas pontas soltas, como a presença das tarântulas, vão provavelmente estimular a imaginação de alguns e causar perplexidade em outros. 

Por Gilson Carvalho

Nota 6,5



Ficha Técnica

O Homem Duplicado (Enemy) – 90 min.
Canadá-Espanha/2014
Direção: Dennis Villeneuve
Roteiro: Jaciwe Gullón, baseado em romance de José Saramago
Elenco: Jake Gyllenhaal, Mélanie Laurent,  Sarah Gadot, Isabella Rossellini. 

Estreia: 19/06

Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top