0

Compartilhe este conteúdo |

Cena do filme "Olho Nu"Olho Nu é um documentário à altura de seu objeto. Desmistificador, revela as múltiplas identidades de Ney de Souza Pereira, vulgo Ney Matogrosso. Dirigido por Joel Pizzini, o registro vai em busca de todos os percalços da vida do artista cantor e ator- da infância aos palcos - na tentativa de descobrir quem é esta pessoa excêntrica por trás das apresentações performáticas para a sua plateia.

O humor oscilante, autêntico e circunferencial de Ney vai ao encontro da narrativa - não linear e de livre associações -, fruto de um trabalho minimalista de montagem que encaixa as muitas imagens de arquivos acompanhadas pelas vastas canções (101 ao todo) de seu intérprete; distanciando das amarras de um documentário de formato convencional. Narrado pelo próprio artista, Olho Nu faz um giro em um vai-e-vem compatível a sua personalidade.

Sem nostalgia, “Olho Nu” lança um olhar à procura de Ney Matogrosso


Poster do filme "Olho Nu"Dotado de uma energia avassaladora e de uma voz rara, Ney Matogrosso não se via assim, no entanto. Mato-grossense, filho de militar, queria ser ator. E aos 17 anos caminhou com suas próprias pernas rumo ao Rio de Janeiro tentar sua sorte, e dentre os mistérios da vida, eis que surge o produtor musical João Ricardo, com quem formou a banda de duração meteórica - assim como o seu nascimento antes do tempo comum (8 meses) - Secos e Molhados. Contudo não fugidia, a imagem do show histórico em um lotado Maracanãzinho é um agrado aos fãs.

Mais antigos que recentes, os encontros artísticos dão um toque refinado à Olho Nu, em especial o encontro com Toquinho. Entre tantos outros artistas, vemos o Ney camaleônico (sempre se reinventando) em encontros com Cazuza, Chico Buarque, Fagner, Caetano Veloso e Emilinha Borba, dentre outros. 

Além desses encontros, o artista camaleão que mistura samba, rock progressivo, bossa nova, dentro de sua intimidade, se vê constantemente em contato com a natureza onde busca inspiração e a serenidade e interage com o espectador. Olho Nu não tem a intenção de definir Ney Matogrosso (em pouco mais de 100 minutos tal tarefa seria impossível) e nem ser nostálgico; faz do registro uma autenticidade, entre as frestas da pessoa e artista com um alto rigor estético. 

Por: Tiago Canavarros

Nota: 8



Ficha Técnica

Olho Nu - 101 min
Brasil– 2012
Direção: Joel Pizzini
Roteiro: Joel Pizzini
Elenco: Ney Matogrosso

Estreia: 15/05

Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top