0

Compartilhe este conteúdo |

Cena do filme "Godzilla"O monstro mais icônico do cinema volta em nova e caprichada produção. Godzilla, dirigida por  Gareth Edwards e estrelada por Aaron Taylor-Johnson, Elizabeth Olsen e Bryan Cranston presta uma homenagem ao gênero e, ao mesmo tempo, acrescenta novos elementos,  sem apenas repetí-los. De quebra, faz esquecer o fraquíssimo filme de Roland Emmerich lançado em 1998.

O
 tributo fica claro logo no início: uma série de recortes de jornais, manchetes e outras notícias sobre a primeira aparição da criatura, em 1954, no Japão, é eixibida durante a abertura do filme.  O roteiro esperto, porém, não fica só nisso; apresenta uma nova e interessante história, em um cenário diferente e com uma nova dinâmica.

Quinze anos atrás, uma usina nuclear japonesa sofre um abalo, atribuído a um terremoto. No acidente, o engenheiro americano Joe Brody (Bryan Cranston) perde sua esposa Sandra (Juliette Binoche). Um salto no tempo e, nos dias atuais, Brody, obcecado por provar que o que aconteceu foi algo mais que um fenômeno natural, é preso ao tentar entrar na usina fechada e isolada. Seu filho, Ford (Aaron Taylor-Johson), já casado e pai de um menino, é obrigado a ir ao Japão para liberá-lo e acaba sendo convencido pelo pai a ajudá-lo na insana tentativa de encontrar respostas. O surgimento de uma estranha criatura com formato de inseto que se alimenta de radiação leva a história para os Estados Unidos, onde ocorre seu ápice: a luta entre Godzilla e o MUTO. 

"Godzilla": roteiro criativo e homenagem ao icônico monstro japonês


Poster do filme "Godzilla"O filme tem um roteiro bastante inteligente cria suspense ao retardar ao máximo a entrada de Godzilla em cena e ainda tira deste o peso de vilão. Diferente da maioria das super-produções de ação recentes, esta usa os ótimos efeitos visuais a seu serviço, e não o contrário. Outro destaque é a trilha sonora de Alexandre Desplat, intensa e grandiosa, embora pareça excessiva às vezes. Meio fora de contexto é a mensagem politicamente correta que tenta passar: “a arrogância do homem é pensar que controla a natureza e não o contrário“, dita pelo Dr. Ichiro Serizawa (Ken Watanabe). 

O elenco tem altos e baixos. Enquanto Bryan Cranston (tornado célebre por protagonizar a série televisiva Breaking Bad) é convincente, Aaron Taylor-Johnson não convence muito no papel de herói.  Em compensação, Elizabeth Olsen ilumina suas cenas e Juliette Binoche, ao fazer uma participação especial, deixa um gostinho de “quero mais.” Ken Watanabe, por sua vez, exibe uma interpretação à japonesa, com muitas caras e bocas e nada mais. 

Por Gilson Carvalho

Nota 8


Ficha Técnica

Godzilla - 123 min.
EUA - 2014
Direção: Gareth Edwards
Roteiro: Max Borenstein, Dave Callaham
Elenco: Aaron Taylor-Johnson, Bryan Cranston, Ken Watanabe, Elizabeth Olsen, Sally Hawkins, Juliette Binoche, David Strathaim. 

Estreia: 15/05

Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top