0

Compartilhe este conteúdo |


Cena do filme "Entre Vales"
Coprodução entre Brasil, Uruguai e Alemanha, Entre Vales foi lançado em 2012 no Festival de Cinema do Rio de Janeiro, e obteve o Prêmio Itamaraty para o Cinema Sul-Americano e o Prêmio do Público no 8º Festival do Cinema Latino-Americano de São Paulo 2013. Dirigido por Philippe Barcinski, traz no elenco Ângelo AntônioMelissa Vettore e o uruguaio Daniel Hendler. 

Vicente (Ângelo Antônio) é um economista que vive de maneira confortável com a esposa, a dentista Marina (Melissa Vettore), e o único filho do casal, Caio (Matheus Restiffe). No entanto, perdas profissionais e pessoais levam Vicente ao fundo do poço, ocasionando uma reviravolta em sua vida. De maneira repentina, o outrora bem-sucedido pai de família se vê transformado em um catador de lixo sem ao menos um local para passar a noite.


Entre Vales”: história de perdas e efemeridades, e sobre o chegar ao fundo do poço



Poster do filme "Entre Vales"
Barcinski entrega ao espectador uma obra de contrastes perturbadores. Imagens de campos abertos, como um aterro ainda não utilizado, são substituídas por colinas de lixo – pedaços descartados de inúmeras vidas, que fazem do lixão uma verdadeira terra de restos.

A cena inicial exibe o momento da ruptura, o momento em que a metamorfose se dá na vida do personagem central. Dali em diante, as peças de um delicado quebra-cabeças vão se revelando, pouco a pouco, até que se faça visível não somente o porquê, mas o “como” da desgraça de Vicente.

A partir de uma cronologia não linear, acompanhamos a descida íngreme do protagonista rumo a seu inferno pessoal, ao seu próprio aterro da alma. A película, no entanto, se atém aos fatos. De Vicente, sabemos apenas o que vemos. O sujeito fechado, de poucas palavras, transforma-se em um ser errante. Catador de lixo, procura nos dejetos os pedaços perdidos de uma vida que já não é a sua.

Ao trazer um ser humano que perde repentinamente tudo o que mais estima, Entre Vales nos fala de fragilidade e de efemeridade, até mesmo daquilo que mais acreditamos inquebrável e eterno. Com bela fotografia, poucas palavras e narrativa atípica, vemos o protagonista ser descartado do mundo, da mesma forma como foram descartados todos aqueles objetos e restos que habitam o lixão.

Perder tudo, muitas vezes, significa perder também a própria identidade. Mas, assim como parte do lixo pode ser triado e reciclado, também o ser humano pode renascer. Após ter atingido seu limite, resta a Vicente reencontrar-se a si mesmo em sua trajetória; lavar o passado de si para, finalmente, poder vislumbrar uma paisagem outra que as colinas e vales de detritos.

Por Aline T.K.M.

Nota 8,5



Ficha Técnica

Entre Vales – 80 min.
Brasil/Uruguai/Alemanha – 2012
Direção: Philippe Barcinski
Roteiro: Fabiana Werneck Barcinski, Philippe Barcinski
Elenco: Ângelo Antônio, Melissa Vettore, Inês Peixoto, Daniel Hendler, Edmilson Cordeiro, Matheus Restiffe

Estreia:  08/05

Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top