0

Compartilhe este conteúdo |



Cores, filme de estréia do realizador brasileiro Francisco Garcia e o documentário português De Armas e Bagagens, de Ana Maria Delgado, foram os grandes vencedores da 5ª edição do FESTin - Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa, que aconteceu  de 2 a 9 de abril, no Cinema São Jorge, em Lisboa, Portugal.

Nesta 5ª edição foram entregues prêmios em oito categorias: longa-metragem, curta-metragem, documentário, ator, atriz e realizador, além dos habituais prêmios do público, que teve oportunidade de votar nas três principais categorias de filme.

O FESTin contou com a presença de 54 convidados, entre realizadores e outros representantes de filmes. Dedicou uma atenção especial aos 40 anos do 25 de Abril, assinalando paralelamente os 50 anos do golpe militar no Brasil, acontecimentos que marcaram a história recente de todos os países lusófonos. Pela primeira vez convidou um país não lusófono a integrar a programação do festival, escolhendo a França para inaugurar este novo espaço pelo forte incentivo às coproduções com países africanos. Cabo Verde foi o quinto país lusófono a ser homenageado no festival, com a exibição de um conjunto de filmes recentes e produções mais antigas.

O festival terminou com a exibição da comédia brasileira Vendo ou Alugo, estrelada por Marieta Severo, Marcos Palmeira, Nathalia Thimberg e Sílvia Buarque, e dirigida por 
Betse de Paula, que subiu ao palco para desejar que o mesmo "possa contaminar de alegria o Cinema São Jorge", e com uma festa de despedida no foyer do cinema.


Vencedores

Melhor Longa-metragem (Júri): Cores, do realizador Francisco Garcia (Brasil)
Melhor Documentário (Júri): De Armas e Bagagens, de Ana Delgado Martins (Portugal).
Melhor Curta-metragem (Júri): Acalanto, do realizador Arturo Sabóia (Brasil)
Melhor Realização (Júri): Francisco Garcia (Brasil)
Melhor Atriz (Júri): Simone Iliescu, do filme Cores (Brasil)
Melhor Ator (Júri):  Juliano Cazarré, de Serra Pelada (Brasil)
Menção Honrosa (Júri de longa-metragem): Impunidades Criminosas, do realizador Sol de Carvalho (Moçambique)
Menção Honrosa (Júri de curta-metragem): Leve-me Pra Sair, do realizador José Agripino (Coletivo Lumika), Brasil.
Melhor Longa-metragem escolhida pelo público: Serra Pelada, de Heitor Dhalia (Brasil)
Melhor Curta-metragem escolhida pelo público: Perto, de José Retré (Portugal)
Melhor Documentário escolhido pelo público: Azul Alvim, de José Paulo Valente (Portugal)



Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top