0

Compartilhe este conteúdo |


Cena do filme "Julio Sumiu"A costumeira diferença social convivida tão próxima na zona sul do Rio de Janeiro é assunto do longa Julio Sumiu, dirigido por Roberto Berliner e roteirizada por Patrícia Andrade (Dois Filhos de Francisco, 2008) e Beto Silva. De um lado, a família classe média constituída por Edna (Lília Cabral) e Eustáquio (Dudu Sandroni), pais do caçula Sílvio (Fiuk) e o desaparecido Julio (Pedro Nercessian), e de outro lado a favela chefiada por Tião Demônio (Leandro Firmino).

Com o sumiço do personagem-título, as classes se misturam causando confusão e mal entendido em trama cômica. No meio dos embaraços, a polícia, representada de forma estereotipada por Augusto Madeira, Stepan Nercessian e Babu Santana, se faz presente com outros fins, menos a procura do milico que não dá notícias há dias.

Comédia de mal entendidos, “Julio Sumiu”, subestima inteligência do público


Poster do filme "Julio Sumiu"A personagem ingênua de Lília Cabral cansa em demasia, beirando à uma infantilidade inverossímil. Não obstante, seu papel possui relâmpagos de inteligências inexplicáveis, diante de tamanha inocência. Semelhante, a “periguete” Madalena (Carolina Dieckmann), cujo rosto aparece esporadicamente, eleva o tom estereotipado da trama em seu relacionamento com os policiais corruptos. Para completar a falta de criatividade, Tião Demônio cita a frase jargão, em referência ao filme Cidade de Deus (2002).

Sílvio é o único que se distingue de nuances desnecessárias. Seu personagem é contínuo, ele mantém a boçalidade requerida até o fim. Já seu amigo Zeca (Hugo Gravitol), embora faça o mesmo tipo, não consegue apresentar o carisma pretendido. Juntos, eles formam e esboçam a juventude alienada e inconsequente de parte da classe média carioca, até certo ponto, sem comprometer.

Afora os personagens caricatos, a trama comete uma mudança brusca no tom narrativo tal como visto em cenas de violência por parte da polícia e do tráfico, além do uso excessivo de drogas. Um adorno displicente. Todavia, existem méritos em Julio Sumiu: todas as letras das músicas executadas acompanham coerentemente ao que se passa na tela e a premissa apresentada vai direto ao ponto e se mantém até o fim da projeção.

Por: Tiago Canavarros

Nota: 5



Ficha Técnica

Julio Sumiu - 94 min
Brasil– 2014
Direção: Roberto Berliner
Roteiro: Patrícia Andrade, Vítor Leite e Beto Silva
Elenco: Lília Cabral, Fiuk, Carolina Dieckmann, Hugo Grativol, Babu Santan, Dudu Sandroni, Pedro Nercessian, Augusto Madeira, Stepan Nercessian e Leandro Firmino

Estreia: 17/04


O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top