1

Compartilhe este conteúdo |



Cena do filme "Ninfomaníaca - Volume II"
A sequência dos relatos da viciada em sexo Joe (Charlotte Gainsbourg) ao velho Seligman (Stellan Skarsgard), que abriga-a em sua casa, segue o mesmo padrão rítmico do título anterior com a chegada da fase adulta. A tendência natural é que, com a sua adição tomando formas mais agressivas para obter prazer, Ninfomaníaca – Volume II ganhe contornos mais tenebrosos. E apelativos.

A manutenção narrativa não é um mérito, sim uma necessidade. Ao contrário da divisão comercial de Harry Potter, Jogos Vorazes e afins, a junção da parte 1 e parte 2 do filme de Lars Von Trier faria de Ninfomaníaca um filme inviável de mais de quatro horas de projeção. O corte essencial, contudo, não exclui a queda de sua qualidade fílmica.


"Ninfomaníaca – Volume II" perde o vigor original do primeiro parte


O excesso de ênfase no aspecto sexual acentua o teor apelativo, Seligman, desta vez, unicamente faz o papel de espectador com suas análises, ora matemáticas, didáticas, terapêuticas, religiosas e literárias, perscrutando as frequentes visitas de Joe pela contínua insaciabilidade nefasta no consultório de K (Jamie Bell), ou na cena de em que pretende ser professora de piano (profissão título de um filme de 2000 de grande teor sexual de Michael Haneke. Mera coincidência?).
Poster do filme "Ninfomaníaca - Volume II"

A música de Beethoven, For Elise, repetida à exaustão em outros longas, é outro tratamento que não transmite originalidade, principalmente, de um diretor autoral. E a metafisica traiçoeira em relação a sociedade não sai do plano do apelo físico. Joe não seria um tipo de pessoa que buscaria um centro de reabilitação, ainda mais para trazer comparações ao seu problema social com a suposta hipocrisia da sociedade. Ela gosta de curtir o pôr do sol com a maior intensidade possível, como um tigresa que precisa ser saciada à qualquer custo.

No volume I, a cena tragicômica vivida por Uma Thurman, a esposa traída, repete-se em outra cena. Dois africanos deliberadamente discutem sobre em qual dos orifícios de Joe os seus pênis será inserido. Até para um tigre insaciável isto pode ser sacal. O desvencilhar do outro “filme”, em seu último capítulo, acontece com a aparição de L (Willem Dafoe), mas aí, tarde demais. Restam apenas 30 minutos para o término de Ninfomaníaca – Volume II. 
                                                      
Por: Tiago Canavarros

Nota: 6

)

Ficha Técnica

Ninfomaníaca – Volume II (Nymphomaniac - Volume II) - 123 min
França, Bélgica, Reino Unido, Alemanha e Dinamarca– 2013
Direção: Lars Von Trier
Roteiro: Lars Von Trier
Elenco: Charlotte Gainsbourg, Stellan Skarsgard, Stacy Martin, Shia LaBeouf, Willem Dafoe, Mia Goth, Michael Pas, Jamie Bell e Jean-Marc Barr 

Estreia: 13/03

Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

  1. Meu pai sempre disse que é muito mais fácil destruir as coisas do que construir e ainda assim há quem valorize aqueles que destroem. Me apropriando da ideia do meu pai de forma análoga aplicada a "Ninfomaníaca", entendo que é muito mais fácil causar repulsa do que ternura, é mais simples mostrar bizarrices do que a verdadeira beleza do ser humano, é mais fácil provocar escuridão do que luz. No entanto, não há dúvida que sempre haverá quem ache esse tipo de obra algo genial. Sempre existirão aqueles, que ainda que subconscientemente, se sentem infelizes e não se satisfariam com a ideia de alguém realmente pode ser feliz de verdade. Sendo assim sempre existirá espaço para os Von Trier da vida fazerem qualquer lixo e serem aplaudidos, contanto que não existam heróis nem mocinhos na história e que todos acabem mal no fim da película. Eu sou fan do ser humano e prefiro ver ressaltadas suas virtudes sobrepondo-se a seus defeitos, porque foi para isso que nascemos. O mundo tem dois lados, ambos verdadeiros, cada um escolhe por que angulo quer enxergar.

    ResponderExcluir

 
Top