0

Compartilhe este conteúdo |


Cena do filme "300 - A Ascensão do Império"
300 - A Ascensão do Império, a aguardada sequência de 300, de Zack Snyder, chega às telas oito anos após a produção ter obtido grande êxito de crítica e público ao apresentar a sangrenta batalha dos bravos espartanos contra os poderosos persas em um estilo vigoroso e inovador. Mais uma vez a inspiração vem da obra de Frank Miller;  desta vez, porém, de modo mais livre, já que a novela Xerxes sequer foi concluída. 

Sequência, na verdade, é um termo inexato; A Ascensão do Império começa pouco antes econtinua durante e após Leônidas e seu exército serem arrasados em Termópilas, e até funciona como motivador para a carnificina em Termópilas. 

Poster do filme "300 - A Ascensão do Império"Em uma batalha, o coronel ateniense Temístocles (Sullivan Stapleton) mata Dario, imperador persa, pai de Xerxes (Rodrigo Santoro). Este jura se vingar, mas ouve de Artemísia (Eva Green), a observação de que somente um deus poderia derrotar os gregos. Assim começa o processo de transformação do jovem em um ser monstruoso,   decidido a conquistar a Grécia a qualquer custo. O front desta vez é o mar, e à frente da tarefa, a ambiciosa Artemísia usa todos os recursos para derrotar os inimigos, que tentarm resistir o quanto podem.

"300 - A Ascensão do Império": sangue e câmera lenta têm efeito déjà-vu


Falta a A Ascensão do Império o efeito surpresa trazido por 300, que introduziu uma nova estética, com texturas bem próximas àquelas de uma graphic novel, o que minimizava o impacto da violência, apresentada de forma estilizada. Além disso, o general  Leônidas de Gerard Butler tinha muito mais carisma. Desta vez, embora o protagonista seja Stapleton, como líder dos gregos, é Eva Green quem brilha mais, ao defender com unhas e dentes seu personagem, a a impetuosa e fria Artemísia. Para os brasileiros, a presença de Rodrigo Santoro, inclusive como Xerxes jovem, antes da transformação em rei-deus e desta vez com mais falas e tempo em cena,  é um fator de curiosidade. 

Cena do filme "300 - A Ascensão do Império"
Os diálogos são outro erro do longa: pomposos, um tanto deslocados. A narração em off, feita pela rainha Gorgo (Lena Headey), repetidas várias vezes para amarrar as diversas narrativas paralelas, resulta excessiva. As muitas sequências de luta, bem coreografadas, abusam da câmera lenta, recurso que perdeu a novidade e, por causa do 3D, o filme é escuro demais. 

Como filme de ação, A Ascenção do Império cumpre seu papel, mas sem o vigor do original, que apesar de recente se consagrou como objeto de culto. Parece que os espartanos tinham razão ao se dizerem os melhores guerreiros de toda Grécia. 

Por Gilson Carvalho

Nota 7



Ficha Técnica

300: A Ascensão do Império (300: Rise of an Empire) – 102 min.
EUA - 2014
Direção: Noam Murro
Roteiro: Zack Snyder, Kurt Johnstad, baseado na graphic novel “Xerxes” de Frank Miller. 
Elenco:  Sullivan Stapleton, Eva Green, Lena Headey, Hans Matheson, Callan Mulvey, David Wenham, Rodrigo Santoro, Jack O’Connell, Andrew Tiern

Estreia 07/03

Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top