0

Compartilhe este conteúdo |



Cena do filme "Rush - No Limite da Emoção"Em Rush – No Limite da Emoção, a rivalidade vivida na década de 1970 entre o piloto destemido nas pistas e mulherengo fora delas, o britânico James Hunt (Chris Hemsworth, de Thor) e o disciplinado e bastante técnico, o austríaco Niki Lauda (Daniel Brühl, de Bastardos Inglórios) é o mote do filme, que por beirada expõe a falta de segurança e o risco de acidentes da Fórmula-1 na época.

O experiente diretor americano, Ron Howard, volta ao gênero que demonstra ser a sua maior virtude, a drama biografia. Em seu currículo, a contundente história dos bastidores do embate entre um presidente inescrupuloso e um jornalista bem articulado, em Frost/Nixon (2008), a viagem fracasso à lua que se tornou um sucesso, em Apollo 13 (1995), e no ano de 2001 - o seu longa mais premiado até então -, a história do economista John Nash, em Uma Mente Brilhante (vencedor de 4 Oscar, incluindo Melhor Diretor e Filme).

Mostrando rivalidade e cumplicidade entre os pilotos, "Rush" dá o prêmio ao espectador


Poster do filme "Rush - No Limite da Emoção"
Motores enfurecidos, abastecidos pela vaidade dos pilotos em derrotarem um ao outro conduzem a plateia a uma alta competitividade, em tomadas alucinantes. Deixado de lado as imagens de arquivos, a reconstituição da cena que culminou no acidente que fez Niki Lauda quase ficar sem vida, está entre uma das muitas cenas que justificam a qualidade fílmica no quesito ação, relembrando um clássico da categoria, Dias de Trovão (1990) com Tom Cruise, e dirigido pelo falecido Tony Scott (1944-2012).

Inimigos assumidos desde o inicio de suas carreiras, ainda na Formula-3, os bate-bocas, a rixa gerada pelo ego inflamado dos dois pilotos são farpas trocadas em declarações em coletivas de impressa e que não conseguem esconder - há uma cumplicidade entre os dois. A coo-dependência devassada mais tarde, sem necessidade por já estar tão sublinhada, é o combustível para que os rivais entrem na pista querendo dar o melhor de si. 

E o mérito dessa relação antagônica e ao mesmo tempo invocada de similitudes é deixar a narrativa fluir sem que o público torça por nenhum dos dois lados. Niki, à sua maneira gélida e disciplinada de austríaco, é tão vaidoso quanto o inconsequente galanteador Hunt, e a imparcialidade exercida em Rush deixa o prêmio máximo ao olhar do expectador.

Nota: 7



Ficha Técnica

Rush – No Limite das Emoções (Rush) –123 min
Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha – 2013
Direção: Ron Howard
Roteiro: Peter Morgan
Elenco: Chris Hemsworth, Daniel Brühl, Olivia Wilde, Alexandra Maria Lara, Patrick Baladi

Estreia: 28/09

Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top