0

Compartilhe este conteúdo |

Cena do filme "Lovelace"
 A atriz americana Amanda Seyfried corajosamente encarna a ex-estrela pornô Linda Lovelace no cinema. Lovelace ganhou fama ao protagonizar seu único filme na indústria pornográfica, Garganta Profunda, um clássico do gênero que hoje possui o status de cult. O filme não narra toda a trajetória de vida de Lovelace, cujo verdadeiro nome era Linda Boreman, mas sim os motivos que a fizeram entrar para a indústria e os eventos subsequentes ao sucesso do filme.

Na trama, baseada em uma história real, Linda, que vêm de uma de uma família extremamente religiosa e rígida, se encanta com o rebelde Chuck Traynor (Peter Sarsgaard), Além de estar apaixonada por Chuck, ela se ressente da relação ruim que tinha com a mãe, Dorothy (Sharon Stone), o que a leva a casar aos 21 anos com Traynor, que em seguida se mostra manipulador e violento.
           
Por falta de dinheiro, Chuck convence Linda a fazer um filme pornô para que eles possam viver mais tranquilamente. Ele tem certeza do sucesso que ela fará devido ao “talento” de Linda com o sexo oral. Ela então estrela Garganta Profunda, que vira um grande fenômeno, arrecada mais de US$ 600 milhões em bilheterias durante o longo período que ficou em cartaz e faz de Lovelace uma estrela. Porém, por trás do glamour que se seguiu, Linda não passava de uma esposa amedrontada e explorada em todos os sentidos. Até o momento  emque ela  conseguiu se livrar.

"Lovelace" relata a trajetória da primeira estrela pornô


Lovelace é dirigido pela dupla estreante Rob Epstein e Jeffrey Friedman e o roteiro adaptado é de autoria de Andy Bellin. As cenas de sexo são feitas de modo que quase não apareça nudez e mesmo as cenas que seriam mais violentas são cortadas antes que pudessem causar desconforto. É possível ver apenas os seios de Seyfried em alguns momentos e um relance dos traseiros dela e de Sarsgaard.
           
Poster do filme "Lovelace"Ambos os atores dão o seu melhor perante as câmeras. É fácil sentirmos pena e escárnio por Lovelace e Traynor, respectivamente. Aliás, Sarsgaard está pavoroso como o marido explorador/cafetão. E Sharon Stone está irreconhecível como a mãe de Linda, Dorothy.

O filme tem seus problemas, começando pela edição. É interessante o modo pelo qual os diretores optaram por duas linhas de visão do caso: o primeiro mostrando os acontecimentos normalmente, como se os problemas do casal fossem normais, e o segundo, que retorna para preencher as lacunas deixadas na primeira parte, os abusos sofridos por Linda e o terror psicológico causado por Traynor. Mas em alguns momentos, era preferível uma linha contínua da história. É fácil nos perdermos nas datas de tanto que o filme pula do passado para o futuro, quando Linda escreve um livro sobre essa parte de sua vida, e de volta para o passado.

Outra curiosidade é o desaparecimento dos personagens de Sarah Jessica Parker e Eric Roberts do filme. As cenas dos dois foram cortadas na edição final, o que demonstra uma falta de visão dos diretores que perceberam que não precisariam dos atores na última hora.

Por José Leonardo Tadaiesky

Nota 6,0


Ficha Técnica

Lovelace – 93 min.
EUA – 2013
Direção: Rob Epstein, Jeffrey Friedman
Roteiro: Andy Bellin
Elenco: Amanda Seyfried, Peter Sarsgaard, Sharon Stone, Robert Patrick, Chris Noth, Hank Azaria, Bobby Cannavale, James Franco, Juno Temple, Adam Brody, Chloe Sevigny

Estreia 13/09


Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top