0

Compartilhe este conteúdo |

Cena do filme "A Voz Adormecida"A Guerra Civil Espanhola (1936-1939)  é uma ferida que dificilmente cicatrizará. Por isso, volta e meia surgem obras que a abordam. A Voz Adormecida é mais uma delas, desta vez prestando homenagem às valentes mulheres que lutaram, morreram e sobreviveram ao terror implantado pelo regime do sanguinário Generalíssimo Franco.

Baseado em romance de Dulce Chacón, o filme se passa nos anos após a guerra civil e conta a história de duas irmãs andaluzas,  Pepita (Maria León), jovem empregada doméstica na casa de uma família burguesa com ligações com a ditadura, e Hortensia (Inma Cuesta), que se encontra presa acusada de apoio aos opositores,  chamados “traidores da pátria”. Voluntariosa, corajosa e incansável, Pepita vai tentar tudo para salvar sua irmã, que está grávida. Hortensia, por sua vez, cria laços inquebráveis com outras detentas, a maioria encarcerada injustamente, o que as ajuda a sobreviver naquele ambiente cruel e sem esperança.

"A Voz Adormecida" mantém viva a memória das vítimas
da Guerra Civil Espanhola


Poster do filme "A Voz Adormecida"Para tentar livrar Hortensia da prisão, Pepi, mesmo sem ter posição política definida, num misto de ousadia e ingenuidade colabora com os rebeldes que se encontram na clandestinidade, e acaba se envolvendo romanticamente com um deles, Paulino (Marc Clotet).  Ao mesmo tempo, apela para a família do patrão e para a Igreja, que mantinha relações perigosas com a direita conservadora

Se o roteiro adota um formato convencional, apostando no melodrama, a força da história em si mantém o interesse, embora o final seja bastante previsível.  Direção de arte, com primorosa reconstituição de época, fotografia,  trilha musical, tudo colabora para o efeito emotivo, adequado para esse tipo de produção. Mais que tudo, destaca-se o trabalho das atrizes;  não só as duas principais, mas todas, que dão unidade e intensidade ao drama.

Justo tributo às mulheres espanholas que resistiram à brutalidade , A Voz Adormecida cumpre a função de dar voz àqueles que sofreram com a brutalidade da ditadura e não deixar seu sacrifício ser esquecido, através de uma obra digna e bem realizada.

Por Gilson Carvalho

Nota 8,5


Ficha Técnica

A Voz Adormecida (La Voz Dormida) – 120 min.
Espanha – 2013
Direção: Benito Zambrano Roteiro: Benito Zambrano, Ignácio del Moral, baseado em romance de Dulce Chacón
Elenco: Inma Cuesta, María León, Marc Clotet, Daniel Holguín, Jesús Noguero, Lola Casamayor, Charo Zapardiel, Teresa Calo.


Estreia 12/07



O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top