0

Compartilhe este conteúdo |


Entrevista coletiva de "A Busca"
Numa tarde calorenta, aconteceu no dia 06 de março, em um hotel na zona sul do Rio de Janeiro, uma coletiva de imprensa com a presença dos atores Wagner Moura e Mariana Lima, com o diretor Luciano Moura e com a roteirista Elena Soarez para promover o filme “A Busca”, que estréia dia 15 de março.

O diretor, Luciano Moura, falou a respeito da mudança do nome do filme, antes chamado “A Cadeira do Pai”. O título era provisório, e serviu quando o filme foi selecionado para o Festival de Sundance de 2012, porém a equipe achou preferível mudá-lo para “A Busca”, que tem um apelo mais comercial e resume melhor a proposta da produção.


Quando perguntados sobre os motivos que o levaram a aceitar fazer o projeto, Wagner Moura afirmou que o roteiro foi um grande fator, mesmo ele sofrendo mudanças depois. Ele disse ainda que sempre busca trabalhos com “densidade, consistência, contradição” e papéis que acrescentem a sua vida pessoal. Com o personagem Theo ele teve a chance de experimentar ser pai de um adolescente, de sofrer um pouquinho na pele aquilo que o aguarda.


Já para Mariana Lima, além do roteiro, outro motivo que a levou a aceitar o convite foi a presença de Wagner, Luciano e Elena.. Ela ainda disse que costuma escolher com cuidado os seus papéis, pois alguns exigem demais do corpo (instrumento do ator) e há vezes em que o projeto não vale o desgaste e o tempo.

Como A Busca é um road movie, a roteirista Elena Soarez discutiu detalhadamente com Luciano como não deixar a história episódica, durante os encontros de Theo (Wagner Moura) com os vários personagens que aparecem em seu caminho, e para isso escolheram atores coadjuvantes das mais diversas áreas de entretenimento capazes de expressar realidade, e constantemente voltavam a reiterar as fundações dos personagens principais , os objetivos que os levavam por aquele caminho.



Luciano e Elena nutrem uma esperança de que, por o filme retratar uma família de classe média, o público compareça aos cinemas para prestigiar o cinema nacional, que está em uma boa fase.

Wagner Moura comentou também a respeito de seu trabalho em “Elysium”, produção que ainda é um mistério e que tem no elenco Matt Damon e Jodie Foster. Segundo ele, a experiência foi positiva, uma vez que foi sua primeira vez atuando em inglês. Falou também que faria outros trabalhos internacionais se o papel fosse interessante, mas não tem nenhuma pretensão de buscar uma carreira internacional.

Por José Leonardo Tadaiesky



O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top