0

Compartilhe este conteúdo |

Cena do filme "Lincoln"

Lincoln estreia nos cinemas em um momento que desponta como um dos favoritos na disputa pela estatueta dourada na 85ª edição do Oscar, o longa compete em doze categorias, dentre elas, melhor ator, atriz coadjuvante, roteiro adaptado, diretor e filme. Baseado no best-seller Team of Rivals, de Doris Kearns Goodwin, a produção dirigida por Steven Spielberg retrata as manobras e decisões tomadas pelo presidente Abraham Lincoln na luta contra a escravidão nos Estados Unidos do século XIX.



"Lincoln": o lado obscuro da política retratado com primor técnico e atuações consistentes



Opaco com uma fotografia trabalhada no contra luz e atuações contidas, mas consistentes, o filme recria com primor técnico um período sombrio e conturbado da história americana. No entanto, o pouco conhecimento sobre este momento dos Estados Unidos pode dificultar a compreensão de alguns diálogos, o que não compromete a trama.

Durante o segundo mandato do presidente Lincoln, os Estados Unidos vivem em meio a uma batalha entre os 11 estados confederados do país, divididos entre o sul latifundiário escravocrata e o norte industrializado. O presidente terá que tomar decisões difíceis e até controversas para conseguir a aprovação da 13ª emenda que proíbe a escravidão no país e encerrar a guerra.

Poster do filme "Lincoln"
Apesar de a temática ser o ponto forte, o primor técnico é algo impressionante. Cada cena é cuidada com requinte extremo, desde a iluminação, posicionamento de câmera, passando por direção de elenco até uma pós-produção, com um tratamento de imagem irretocável. Destaque para o tom realista e contido da obra, principalmente, no uso econômico da trilha sonora e nas interpretações do elenco.

Peças fundamentais, Daniel Day-Lewis como Lincoln e Sally Field como a primeira dama, fazem um contraponto interessante. Enquanto o personagem dele cresce pela sobriedade e trabalha com o olhar, aliás, muito bem evidenciado pelos closes; o dela ascende por uma força e amargura atroz.

Lincoln de Steven Spielberg deve ser apreciado pela maneira como explora o lado obscuro da política e aponta para as decisões e escolhas sacrificadas de um homem poderoso que lutou em prol da liberdade de todos. Atitude que resultou em muitas mortes, inclusive a dele. Mas, sem sombra de dúvidas, foi um dos presidentes mais importantes da história norte-americana, o primeiro passo para uma mudança na consciência mundial.

Sufrágio universal sim


Cena do filme "Lincoln"Sem perder o foco nos meandros percorridos pelo presidente para a aprovação da emenda que acabaria de vez com a escravidão, Spielberg pontua outro exemplo de repressão na cultura do século XIX e menciona a falta de reconhecimento e oportunidades para a mulher, que nem sequer possuía direitos políticos.

Durante os embates no congresso, algumas falas ressaltam o pensamento da época.“Daqui a pouco até as mulheres vão poder votar”. Discursos debochados ou até mesmo os diálogos travados entre a primeira dama e o marido, trazem a tona a realidade de um período histórico marcado pela repressão a tudo que era diferente do homem caucasiano. Uma falsa noção de superioridade ainda latente, que vez por outra, volta a assombrar a sociedade.


Nota 8,5



Ficha técnica

Lincoln - 150 min.
EUA -2012
Direção: Steven Spielberg
Roteiro: Tony Kushner, baseado no livro de Doris Kearns Goodwin
Elenco: Daniel Day-Lewis, Sally Field, David Strathairn, Joseph Gordon-Levitt, James Spader, John Hawkes, Jackie Earle Haley, Bruce McGill, Tim Blake Nelson, Joseph Cross, Jarred Harris, Lee Pace, Peter McRobbie.

Estreia: 25/01



Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top