0


O filme Rota Irlandesa, do diretor britânico Ken Loach e roteiro de Paul Laverty (ambos de À Procura de Eric e 11 de Setembro), traz para o cinema uma visão crítica do trabalho mercenário realizado em Bagdá por ex-soldados. A trama expõe os interesses financeiros e condutas por trás das ocupações no Iraque, enquanto o personagem principal tenta descobrir os responsáveis pela morte de seu melhor amigo.

"Rota Irlandesa" expõe o trabalho mercenário na guerra


Cena do filme "Rota Irlandesa"
Rota Irlandesa gira em torno das investigações feitas pelo ex-soldado e mercenário Fergus (Mark Womack) sobre a morte de seu melhor amigo e também mercenário Frankie (John Bishop) em uma estrada chamada Rota Irlandesa, na cidade de Bagdá, Iraque. Inconformado com as explicações oficiais e com um celular contendo a filmagem da chacina de uma família na cidade, executada por membro da equipe de Frankie, Fergus buscará a verdadeira causa da morte do companheiro e a justiça pelas próprias mãos. 

Poster do filme "Rota Irlandesa"Um aspecto interessante da produção é que Loach e Laverty denunciam os interesses comerciais, a ação e motivações de grupos empenhados na segurança de seus clientes, os abusos de poder e as infrações aos direitos humanos por trás da guerra e ocupação do Iraque. Apesar disso, não se trata de um filme político no sentido estrito do termo, e Rota Irlandesa não tem cara de documentário. 

A linha central do roteiro é a obsessão de Fergus pela descoberta do assassino de Frankie. Na trama, ele não apenas revela à viúva de seu amigo, Rachel (Andrea Lowe), detalhes e bastidores das ocupações em território iraquiano, como também faz uso dessas mesmas táticas nas investigações em solo britânico. De certa forma, Rota Irlandesa faz um julgamento dos métodos utilizados por Fergus. Outro ponto importante é que o filme é construído a partir da subjetividade atormentada de Fergus, seu ritmo e clima, mas há uma realidade objetiva que no final é confrontada com a lógica dos argumentos elaborados pelo protagonista. 

Um bom filme 


Tecnicamente, não há problemas em Rota Irlandesa. Ao mesmo tempo, não é um filme com uma grande trilha musical ou uma grande carga de emoção. As cenas de guerra e ação foram apresentadas, em sua maioria, na forma de flashbacks. Isso afasta um pouco, no tempo e no espaço, o ambiente de guerra e faz efeito quando há um momento de tensão. 

Por Angela Gomes 
Nota 7,5 


Ficha Técnica 

Rota Irlandesa (Route Irish) – 109 min. 
Reino Unido/França/Itália/Bélgica/Espanha – 2010 
Direção: Ken Loach 
Roteiro: Paul Laverty 
Elenco: Mark Womack, John Bishop, Geoff Bell, Stephen Lord, Naiwa Imri, Andrea Lowe

Estreia 05/10


O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top