0

Compartilhe este conteúdo |


O diretor Breno Silveira (À Beira doCaminho), e a roteirista Patrícia Andrade, autores de Dois Filhos de Francisco (2005) cinebiografia assistida por mais de 5 milhões de espectadores, , retornam ao gênero mais rentável da parceria traçando a história de dois grandes compositores, e grandes personalidades da música brasileira,  Gonzagão e Gonzaguinha, intitulado Gonzaga - De Pai Pra Filho.



"Gonzaga" narra reencontro de pai e filho na vida e na música


O filme enfoca a trajetória do pai, conhecido como o Rei do Baião e responsável pelo hino nordestino Asa Branca, em parceria com o advogado e compositor Humberto Teixeira. O espectador acompanha a vida pessoal e artista de Luiz Gonzaga, desde sua pobre adolescência (vivido por Land Vieira) em Exu, em Recife, onde teve o seu primeiro contato com a sanfona, e também com o amor. Entretanto a paixão por Nazarina (Cecilia Dassi) não tinha a menor simpatia pelo pai Coronel (Domingo Montagner), dono do latifúndio onde seus pais são empregados, e que o ameaçou de morte, fazendo o jovem se refugiar no exercito.

Poster do filme "Gonzaga - De Pai Para Filho"
Passado esse momento, Luiz Gonzaga (agora interpretado por Chambinho, que se não tem dotes cênicas, compensa na habilidade com o arcordeon) resolveu correr atrás de seu sonho indo em direção ao Sul, Rio de Janeiro, para viver de xote, xaxado e baião.

Esses dois aspectos são vistos a partir de um flashback iniciado com o reencontro marcado por um acerto de contas entre pai (Adélio Lima), agora falido, e o filho contestador no auge de sua carreira. Gonzaguinha (Júlio Andrade, em excelente atuação), negligenciado durante toda sua vida pelo pai, mal tratado pela madrasta Helena (Ana Roberta Gualda) e criado no Morro carioca de São Carlos pelos padrinhos Dina (Sílvia Buarque) e Xavier (Luciano Quirino) leva ao encontro toda a sua lamúria e contestação causada pela ausência do pai, e faz do cotejo uma chance de descobrir Luiz Gonzaga além do mito.



“Gonzaga – De Pai pra Filho” é um filme comovente


Gonzaga – De Pai pra Filho aborda um viés popular, com a intenção de emocionar e relembrar épocas; a boemia carioca do centro da cidade, os grandes salões de festas da Lapa, o estúdio do programa da rádio comandada por Ary Barroso, especialmente bem elaboradas pela equipe técnica.

Embora careça da pouca aparição do grande responsável por alavancar a sua carreira, Humberto Teixeira, e deslizar por conta do flashback equivocado de Gonzaguinha enquanto criança (Alison Santos), já que o subtítulo diz que o relato é de pai para filho, o filme deixa de lado esses pormenores e comove enaltecendo esses dois grandes artistas de personalidades fortes.

E é nessa direção que a cinebiografia se aponta, e apenas mencionando os desfechos fatídicos dos dois autores através dos letreiros finais, que se juntam as lindas imagens reais através de fotos históricas dos verdadeiros compositores e personalidades da época, e de quebra ao som da canção mais popular de Gonzaguinha, “O que é o que é?”.

Emocionante, saudosista, comovente e tecnicamente impecável, a história do filme é uma bonita e justíssima homenagem póstuma ao Gonzagão e Gonzaguinha, justamente no ano em que o primeiro completaria 100 anos; e os fãs agradecem.

Nota: 8


Ficha Técnica

Gonzaga- De Pai pra Filho - 120 min
Brasil– 2012
Direção: Breno Silveira
Roteiro: Breno Silveira e Patrícia Andrade
Elenco: Chambinho, Julio Andrade, Land Vieira, Silvia Buarque, Luciano Quirino, Giancarlo Di Tomazzio, Nanda Costa, Ana Roberta Gualda, Cyria Coentro, João Miguel, Claudio Jaborandy

Estreia: 26 de outubro




O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top