0

Compartilhe este conteúdo |


Cena do filme "Chamada a Cobrar"
Um tipo de crime muito comum nas grandes cidades brasileiras, o falso sequestro é o pretexto para a diretora paulista Anna Muylaert discutir o abismo social que há no Brasil. Chamada a Cobrar foi apresentado como hors concours na Première Brasil do Festival do Rio 2012.

Clara (Bete Dorgam) é uma dona de casa de classe média alta de São Paulo que vive em uma bela casa em um bairro nobre, mas depende totalmente de sua empregada, Dalva (Cida Almeida). Ao receber uma chamada a cobrar de um desconhecido que afirma ter sequestrado uma de suas três filhas, ela entra em pânico e passa a fazer tudo que o criminoso determina. 

Chamada a Cobrar” pretende expor diferenças sociais


Poster do filme "Chamada a Cobrar"
Originalmente concebida e produzida como um telefilme, a primeira versão da produção foi exibida na televisão em 2010 com o título “Para aceitá-la, continue na linha”. Enxergando potencial para atingir um público diferente e aprofundar algumas questões, a roteirista e diretora decidiu refilmá-la para a tela grande. A solução foi transformá-la em um road movie, em que a vítima percorre a mais importante rodovia do país, a Pres. Dutra, que liga São Paulo e Rio de Janeiro, com o fim de resgatar a filha sequestrada. 

Toda a narrativa se apoia no diálogo travado entre Clara e o suposto sequestrador, ao longo da viagem empreendida por ela de São Paulo ao Rio. Por isso, é basicamente o trabalho de uma atriz, atuando a partir dos comandos do bandido, representado por Pierre Santos, tarefa bastante difícil e bem sucedida na maior parte do tempo. 

O melhor momento do filme, porém, é a curta, mas marcante participação de Lourenço Mutarelli, que faz um delegado cheio de tiques nervosos. Por sinal, as sequências onde há algum tipo de comédia, proposital ou acidental, são as mais interessantes. As outras personagens, as filhas de Clara, carecem de profundidade, ficando apenas sugeridas as diferentes personalidades de cada uma delas. O final não reserva nenhuma surpresa. A impressão é que o baixo orçamento não permitiu explorar melhor o tema, ideia reforçada pela curta duração do filme – apenas 72 minutos. 

Por Gilson Carvalho 

Nota 5 

Ficha Técnica

Chamada a Cobrar – 72 min
Brasil – 2012 
Direção: Anna Muylaert
Roteiro: Anna Muylaert 
Elenco: Bete Dorgam, Pierre Santos, Cida Almeida, Lourenço Mutarelli, Maria Manoella, Regina França, Tatiana Thomé


O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top