0

Compartilhe este conteúdo |


As investidas das Organizações Globo no cinema através da Globo Filmes nos últimos anos renderam ao público alguns filmes realmente bons, e muitos nem tanto. Mas deixando isso de lado, é inegável que a empresa descobriu um filão bastante rentável nas comédias de linguagem simples, principalmente depois do estrondoso sucesso de Se Eu Fosse Você 1 e 2. É apostando nessa  mistura que chega aos cinemas Até Que a Sorte nos Separe.

Cena do filme "Até que a Sorte nos Separe"

Uma aventura de novos ricos em "Até Que a Sorte nos Separe"


Tino (Leandro Hassum) e Jane (Danielle Winits) encaram juntos as dificuldades financeiras que todo casal jovem enfrenta no começo da vida adulta, mas eles ganham na loteria e logo escapam dessa situação. Depois de ficarem milionários o casal vive uma vida de luxo e ostentação, e a maior diversão de Tino é provocar seu vizinho Amauri (Kiko Mascarenhas).

Amauri é um homem de negócios do mercado financeiro, um tipo engravatado e todo certinho, que tenta ficar rico seguindo sua cartilha dos "4 Passos da Riqueza". Tino adora irritar o vizinho trabalhador com sua riqueza fácil, mas tudo vira do avesso quando ele descobre que a fortuna foi pelo ralo com seus gastos descontrolados.

O banco chama Tino para uma reunião para explicar sua situação no vermelho, e indica um de seus melhores consultores para ajudá-lo: Amauri. Para piorar tudo, Tino descobre que Jane está passando por uma gravidez complicada e não pode sofrer por nenhum trauma, como por exemplo, descobrir que o dinheiro acabou e eles voltaram a ser pobres.

O cinema que fala a sua língua


Poster do filme "Até Que a Sorte nos Separe"
Com a propalada expansão da classe média, o fortalecimento da classe C, fica claro que o filme é um esforço para atingir esse grupo tantas vezes mal compreendido e subestimado. O humor e a linguagem do filme não chegam ao nível de qualidade duvidosa de um Zorra Total, ainda bem, mas não fica muito longe disso. Lendo o slogan da Globo Filmes, "O cinema que fala a sua língua", fica claro que a empresa está realmente engajada nessa estratégia.

As atuações do filme não são lá muito boas, mas essa não parece ter sido uma grande preocupação seguindo o estilo de humor meio escrachado da comédia. Danielle Winits tem algumas piadas boas, mas apenas Leandro Hassum consegue ser bastante engraçado.


Por Lucas Siqueira Cesar

Nota: 4



Ficha Técnica

Até que a sorte nos separe - 103 min
Brasil – 2012
Direção: Roberto Santucci
Roteiro: Paulo Cursino, Angélica Lopes
Elenco: Leandro Hassum, Danielle Winits, Kiko Mascarenhas, Rita Elmor e Ailton Graça

Estreia 05/10







Compartilhe este conteúdo |



O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top