0


A Primeira Coisa Bela é um filme muito emocionante, que faz a comunhão entre momentos de drama e comédia sem ser apelativo. Ambientado em Livorno, cidade natal do diretor, produtor e roteirista Paolo Virzì, este longa foi escolhido como o representante da Itália ao Oscar 2011. A obra é de um humanismo vibrante, de um amor à vida que não se costuma ver sempre. É uma das comédias mais representativas do cinema italiano da atualidade.

Cena do filme "A Primeira Coisa Bela"

Recurso psicanalista em "A Primeira Coisa Bela"


Bruno Michelucci (Valerio Mastandrea), professor em uma escola técnica, leva uma vida de desencanto, um tanto confuso e perdido, ao lado da esposa bonita e bem sucedida. Atormentado pelo seu passado, ele se depara com a irmã Valeria Michelucci (Claudia Pandolfi) e o sobrinho, que vieram buscá-lo para ver sua mãe doente em estado terminal. Relutante, ele se deixa levar pela irmã ao encontro da mãe Anna Nigiotti in Michelucci (Stefania Sandrelli), uma mulher que assombra por esbanjar vitalidade e alegria, contradizendo os diagnósticos médicos.

O filme segue duas narrativas intercaladas: a primeira representa as lembranças do passado a partir do momento em que a mãe de Bruno (Micaela Ramazzotti), em 1971, uma jovem e deslumbrante mulher, ganha um concurso relâmpago de beleza, sendo declarada “Miss Mama”. A segunda, é a linha da atualidade. A estrutura dos encadeamentos das narrativas, quando vista a partir da vida traumatizada de Bruno, aparenta uma terapia psicanalista na qual as regressões têm o papel de cura. Papel que não é realçado, apesar de tudo, porque o longa não apresenta rasgos psicanalíticos.

Pôster original do filme "A Primeira Coisa Bela"
Além disso, Virzì apresenta carácteres de Livorno, pessoas comuns que têm sua própria filosofia com relação à vida e seus problemas. A forma como a sociedade contemporânea lida com suas angústias e vazios é contraposta a uma forma mais simples e despatologizada. Tudo isso contribui para que o espectador seja capturado pela trama de A Primeira Coisa Bela e sinta a boa emoção que ela transmite.

Anna Nigiotti in Michelucci é mais uma mulher forte no cinema italiano


Anna é mais uma das mulheres fortes, belas e alegres do cinema italiano, que nos faz lembrar as personagens protagonizadas por Sophia Loren. Ela foi bem interpretada pelas duas atrizes, tendo como resultado uma mulher cativante que, mesmo esbanjando sensualidade, está o tempo todo afirmando seu papel de mãe. A personalidade de Anna atrai aqueles que a cercam, especialmente o seu filho Bruno. A Primeira Coisa Bela não inova em técnicas cinematográficas, mas sabe como poucos contar uma história com conteúdo humano muito forte, simples e contagiante.

Por: Angela Gomes
Nota: 8






Ficha Técnica

A Primeira Coisa Bela (La Prima Cosa Bella) – 122 min
Itália – 2010
Direção: Paolo Virzì
Roteiro: Paolo Virzì, Francesco Bruni, Francesco Piccolo
Elenco: Valerio Mastandrea, Micaela Ramazzotti, Stefania Sandrelli, Claudia Pandolfi

Estreia: 7 de junho

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top