5
Não tem escapatória: quando filme adolescente obtém sucesso de bilheteria, não falta gente para tirar uma casquinha de lambuja e pegar carona com o êxito do longa e, quando acontece, majoritariamente, é para tirar um sarro dos personagens (em alguns casos sobra até para os próprios atores), isto é, parodiar.

De comédias teenager mais recentes como American Pie, ou mais antigas, como Clube dos Cinco, nasceu Não é Mais um Besteirol Americano; e, não diferente, de filmes de terror também voltados ao público juvenil, como Pânico e Eu Sei o que Vocês Fizeram no Verão Passado, abririam uma franquia os satirizando, como é o caso de Todo Mundo em Pânico (Scary Movie). 

Sucesso de bilheteria nos cinemas, a Saga Crepúsculo seguiu os mesmos passos e foi parodiada; tanto é que em 2010 já haviam feito uma sátira em Os Vampiros que se Mordam, e, ao que parece, o retorno é positivo, pois o custo é baixo e gera receita. O mesmo deve ocorrer com A Saga Molusco: Anoitecer (Breaking Wind). Dirigido e escrito por Craig Moss (acostumado a fazer sátiras), o trio Bella, Edward e Jacob, assim como os outros personagens, voltam a ser escancarados e expostos ao ridículo.

Piadas de mau gosto do início ao fim em A Saga Molusco: Anoitecer


É mais do mesmo e não difere dos demais, pois não traz nada de novo ao gênero pastelão. São piadas manjadas, apelativas e muitas vezes grosseiras. O estilo nonsense se intensifica em alguns casos que, inclusive, justificariam uma classificação etária até mais rigorosa, acima dos 14 anos indicados. De outro lado, também, não haveria público.

Inspirado na mesma essência, Leslie Nielsen fazia comédia pastelão de uma forma um pouco menos grotesca e por isso o resultado era melhor, podendo conciliar até pais e filhos assistindo juntos. Sim, há muitas cenas de sexo apelativas em filmes feitos pelo ator (que faleceu em 2010), como em Corra que a Polícia Vem Aí ou Drácula: Morto Mas Feliz; no entanto, A Saga Molusco abusa. É insinuação de sexo do início ao fim, sem criatividade alguma. E somam-se a isso as incessantes piadas de flatulências. O lado bom, ao menos, é a sua duração: um pouco mais de 60 minutos; neste quesito, seus criadores conseguiram ser sensatos, mas é só. 

Por: Tiago Canavarros 
Nota: 2




Ficha Técnica


A Saga Molusco: Anoitecer (Breaking Wind) – 83 min 
EUA – 2011 
Direção e Roteiro: Craig Moss 
Elenco: Heather Ann Davis, Eric Callero, Frank Pacheco, Michael Adam Hamilton, Alice Rietveld, John Stevenson, Rebecca Ann Johnson 

Estreia: 2 de março

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

  1. fato concordo com voce quando diz poderia ter uma classificacao etaria mais rigorosa, mas o publico que assiste gosta dessas besteiras infanto-juvenis

    ResponderExcluir
  2. é uma merda, perdi meu tempo e dinheiro assistindo isso.

    ResponderExcluir
  3. Filme ridículo!!!!! só tem 1 cara peidando o filme todo oque não faz sentido algum e uma vadia no cio,prefiro centenas de vezes o ''Os Vampiros que se Mordam'' Título original:''Vampire Sucks''
    não essa comédia forçada totalmente sem graça e sem sentido,e faz sátiras de coisas ridículas do próprio filme original como:o brilho do edward,o porque do lobisomen tirar a camisa o tempo todo e etc.muito engraçado!
    me arrependo de ter ido no cinema assistir isso!

    ResponderExcluir
  4. A sátira deste filme é uma merda. Mas a porcaria da "saga"? não fica trás em termos de mau gosto com vampíro e lobisomem gay.

    ResponderExcluir
  5. nossa , que falta de criatividade , esse filme e um livo

    ResponderExcluir

 
Top