0
Pina 3D aborda a carreira da coreógrafa alemã Philippine Bausch (mais conhecida como Pina), que durante 35 anos conduziu a legendária companhia de dança Tanztheater Wuppertal Pina Bausch. O público é levado a conhecer o interessante trabalho da homenageada (falecida em 2009), com criações que misturam dança contemporânea com teatro, de forma muito genuína. No início, inclusive, suas coreografias geraram muita polêmica e vaias.

O filme alterna, basicamente, coreografias com depoimentos dos bailarinos do grupo. O corpo de dança fora um grupo extremamente heterogêneo, com pessoas de vários países (inclusive uma dançarina brasileira), com tipos físicos completamente diferentes. E é agradável ouvir a maioria deles falando em sua língua natal. Mesmo quem não gosta de dança vai se surpreender com algumas das coreografias. Numa delas, o palco é coberto de terra, que é brilhantemente usada como objeto cênico, no qual os dançarinos se sujam, e jogam terra uns nos outros. Ou em outra, na qual dois bailarinos cospem água, um no rosto do outro.

Há uma interessante apresentação na qual um bailarino caminha com galhos de árvores equilibrados em seu corpo: nos braços, ombros e cabeça. Também é curioso acompanhar a forma visceral com que Pina Bausch fazia com que seus dançarinos descobrissem a dança dentro deles. É um método que lembra muito os métodos teatrais usados pelos grandes diretores. Em certo momento, ela diz a uma dançarina oriental: “Você é a pessoa mais frágil do grupo, e essa é exatamente a sua força”. Ou então, a dançarina que diz que em quase vinte anos de participação no grupo só ouviu uma frase de Pina: “Procure seu caminho”.


Apesar de interessante, Pina 3D só deve agradar aos amantes de dança


Conforme dito anteriormente, Pina 3D é mais uma homenagem do que um documentário, pois apresenta a coreógrafa em raros momentos. Neste caso, é realmente interessante que se veja o filme em 3D, pois desta forma é possível o público se sentir de frente aos dançarinos, no palco onde as coreografias são apresentadas. O longa utiliza de um recurso muito interessante para mesclar imagens em 2D: coloca a câmera atrás de um projetor de cinema, onde vemos o projecionista e o público de costas, como se estivéssemos dentro de outro cinema. A imagem projetada dentro deste outro cinema é em 2D, com isso as imagens de arquivo funcionam sem causar estranhamento. Ao contrário dos depoimentos de Pina, nos quais é esquisito vermos imagens em duas dimensões.


É imprescindível assistir Pina em 3D


O filme possui uma bela fotografia e traz momentos de rara beleza, ao ar livre, onde coreografias são executadas sobre uma queda d’água ou mesmo à beira de um penhasco. Alardeado como “o primeiro filme de arte em 3D”, possivelmente teve sua indicação ao Oscar 2012 devido à direção ser do renomado cineasta alemão Wim Wenders (de Asas do Desejo, Paris, Texas e Buena Vista Social Club). Tudo na obra é favorecido pelo 3D, porém, com o passar dos minutos, o filme vai ficando entediante para quem não é profundamente interessado em dança.

Por isso, Pina 3D deve agradar basicamente aos amantes da dança e das pesquisas teatrais; para outras pessoas ligadas à arte, o filme é belo, interessante, curioso, mas deve deixá-las um pouco entediadas. Por aí dá pra se imaginar o que diria uma pessoa que seja acostumada a ver filmes comerciais, como “homens-aranha”, “Harry Potter” e coisas do gênero.

Por: Beto Besant
Nota: 5






Ficha Técnica

Pina 3D (Pina) – 106 min
Alemanha, França, Reino Unido – 2011 
Direção e Roteiro: Wim Wenders 
ElencoPina Bausch, Regina Advento, Malou Airaudo, Ruth Amarante, Jorge Puerta Armenta, Dançarinos do Tanztheater Wuppertal 

Estreia: 23 de março

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top