0
Navegando pelas temáticas dos livros clássicos de aventura A Ilha Misteriosa, de Júlio Verne, As Viagens de Gulliver, de Jonathan Swift, e A Ilha do Tesouro, de Robert Louis Stevenson, o diretor Brad Peyton recria novamente um universo de aventura e fantasia em Viagem 2: A Ilha Misteriosa, continuação de Viagem ao Centro da Terra, de 2008. O filme mostra um grupo de pessoas conhecendo, e ao mesmo tempo sobrevivendo, às maravilhas de uma ilha onde coisas fantásticas podem acontecer, como uma abelha ser maior que um elefante. Entre um festival de clichês, efeitos especiais e muita cenas de ação, das mais diferentes formas, o longa tenta passar alguns valores enquanto diverte o jovem espectador.

Lagartos gigantes, um vulcão de ouro e muita correria em Viagem 2: A Ilha Misteriosa


O roteiro reapresenta o personagem Sean (Josh Hutcherson, de Minhas Mães e Meu Pai), agora já alguns anos mais velho que no primeiro filme da franquia. Nessa nova realidade, Sean é um adolescente revoltado e aficcionado pela obra de Júlio Verne. O longa já começa com uma perseguição de moto, na qual Sean consegue resgatar uma mensagem criptografada de seu avô desaparecido (Michael Caine, de A Origem). Após rapidamente descobrir o conteúdo da mensagem, o jovem parte para Palau a fim de resgatar o avô em uma ilha isolada no meio do Oceano Pacífico. Mas junto com ele e contra sua vontade vai também o padrasto Hank (Dwayne Johnson, de Velozes e Furiosos 5), com quem Sean mantém uma relação conflituosa.

Ao chegarem em Palau, descobrem que a área onde a ilha procurada se encontra é uma região de forte instabilidade temporal e ninguém quer se arriscar a guiar a dupla, com exceção do espertalhão Gabato (Luis Guzmán, de O Sequestro do Metrô 123) acompanhado de sua filha Kailani (Vanessa Hudgens, de Sucker Punch). A partir daí o filme se desenrola em uma série de acontecimentos que garantem o clima de aventura da história.

Efeitos visuais tentam segurar um enredo previsível constituído por histórias fracas


O filme apresenta cenários bastante elaborados, na tentativa de recriar uma espécie de paraíso perdido. Realmente, durante o transcorrer da história o espectador se depara diversas vezes com cenários exuberantes, e as cenas que envolvem os animais diferentes da ilha são especialmente mais interessantes. Levando em conta o público-alvo de Viagem 2, há também a possível disseminação de livros clássicos entre os jovens, incentivando até mesmo a busca pela leitura, já que muitas vezes os personagens se livram de enrascadas e perigos por intermédio de trechos dos livros relacionados à trama.

A história do filme, contudo, é somente um grande clichê, assim como todas suas ramificações. O padrasto bonzinho que busca um relacionamente amigável com o enteado rebelde, o avô sabichão, a menina pobre que deseja sair do fim do mundo para fazer faculdade e por quem o mocinho se apaixona logo à primeira vista, e assim por diante. Os personagens são limitado a poucos traços de personalidade e até mesmo as piadas são, em sua esmagadora maioria, bastante fracas. Mas não dá para exigir um humor muito elaborado de um filme voltado ao público infanto-juvenil. Algumas cenas chegam a ser facilmente tratadas como dispensáveis, como a dança bizarra protagonizada pelos músculos do peitoral de Hank, na qual o espectador se pergunta qual o motivo exato daquilo.

Outra lacuna que talvez incomode, mesmo com o grande espaçamento entre um filme e outro, é o fato de que os personagens do primeiro longa, como o tio de Sean (vivido por Brendan Fraser, da franquia A Múmia), ou a a guia islandesa Hannah (Anita Briem, mais conhecida pela série inglesa The Tudors), não são sequer mencionados. Durante o filme todo, personagens que foram principais em Viagem ao Centro da Terra são tratados como se nunca tivessem existido. Fica a dúvida então se Viagem 2 é realmente a continuação do original, ou se é somente mais um filme infanto-juvenil padrão de Dwayne 'The Rock' Johnson, como alguns outros de temática bastante semelhante, tais quais O Fada do Dente ou Treinando o Papai.

O filme se segura na tentativa de cativar seu público alvo com uma enxurrada de efeitos próprios para o 3D, mas se perde em alguns exageros e na história pobre e mal construída. Na dúvida, melhor optar mesmo por ler o livro de Julio Verne.

Por: Rafael Gonzaga 
Nota: 6




Ficha Técnica


Viagem 2: A Ilha Misteriosa (Journey 2: The Mysterious Island) - 94 min
EUA - 2012
Direção: Brad Peyton
Roteiro: Richard Outten, Brian Gunn, Mark Gunn
Elenco: Josh Hutcherson, Vanessa Hudgens, Michael Caine, Kristin Davis, Dwayne Johnson, Luis Guzmán

Estreia: 03 de fevereiro

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top