2
Apesar da lenta progressão narrativa, que pode ser identificada pela falta de ações significativas para o desenrolar da história, o roteiro de Abi Morgan (de A Dama de Ferro) e Steve McQueen (de Hunger) consegue se mostrar atraente do início ao fim. As sequências iniciais, propositadamente repetitivas, nos apresentam o protagonista e sua rotina. Brandon Sullivan (Michael Fassbender, o Magneto de X-Men: Primeira Classe) é um homem de meia idade bem-sucedido e aparentemente normal, tendo como única peculiaridade o fato de ser viciado em sexo casual. Inicialmente, nada de extraordinário nisso. Não fosse a chegada da irmã, Sissy (Carey Mulligan, de Não Me Abandone Jamais) em seu apartamento para revelar que por trás de sua perversão sexual habita um homem extremamente frio e solitário. 

Esteticamente impecável, Shame consegue mostrar erotismo e perversidade sem perder a poesia


Ambientado na cidade de Nova Iorque, o filme revela uma realidade que muitas vezes nos escapa: até que ponto o ritmo de uma cidade grande nos impede de verdadeiramente viver? Brandon é a alegoria do homem que segue o fluxo natural da sociedade. Ganha dinheiro, tem seu apartamento, vive confortavelmente sua vida, satisfazendo suas necessidades mais superficiais. Sua irmã, ao contrário, leva uma vida errante. É cantora, não tem estabilidade e vive pela busca de sensações e sentimentos profundos. E é exatamente essa busca que faz com que sua aparição na vida de seu irmão seja o ponto de virada do percurso de Brandon. 

A rotina pacífica e sem maiores reflexões do ninfomaníaco é substituída pela tentativa de reconstrução de seu caráter e de seus sentimentos. Uma cena bastante significativa para representar essa ideia é a em que Sissy canta New York New York, em ritmo muito mais lento que a versão de Frank Sinatra, e faz com que lágrimas escorram da face de Brandon. O ritmo lento quebra com o fluxo ininterrupto de informações e faz com que o protagonista se confronte com o amor que sente pela irmã e com o quanto sua vida é vazia. 

As mensagens por trás da mensagem


Embora o desfecho de Shame seja ambíguo (o que acaba contando pontos a favor da criatividade do roteiro), há a sugestão de que Brandon reconhece suas fragilidades masculinas, passando progressivamente a perceber que sua ânsia por sexo é apenas um desejo desenfreado de preencher os vazios de sua existência. É o tipo de filme em que saímos em silêncio do cinema, incapazes de afastar totalmente as reflexões que se apresentam para contemplação. Imperdível! 

Por: Joana Angélica Souza
Nota: 8.5




Ficha Técnica


Shame – 99 min 
Reino Unido – 2011
Direção: Steve McQueen 
Roteiro: Abi Morgan, Steve McQueen 
Elenco: Michael Fassbender, Carey Mulligan, James Badge Dale, Hannah Ware 

Estreia: 16 de março


O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

  1. Assim que ouvi falar a respeito do filme me interessei! Gostei tb dos pontos que são levantados nessa crítica, dps que eu assisti poderei falar mais do meu silêncio ao término do filme.

    ResponderExcluir
  2. Entendi o filme de outra maneira. O protagonista representa, para mim, qualquer "diferente" que deseja ser aceito socialmente. Sua preferência por sexo casual ou com prostitutas e pela pornografia poderia ser substituída por qualquer outra obsessão, mania ou comportamento de que se envergonhasse, que fosse socialmente condenável, que o fizesse se sentir um pária.
    Ele chora ao ouvir a irmã cantar uma canção que fala de alguém que vem da pobreza e sonha em vencer na cidade grande. Alguém que quer ser ser aceito, que quer ser normal e respeitável. Ele também queria ser um igual mas sabe que nunca será, o vício é seu ponto fraco. O próprio amigo e chefe faz uma chantagem velada ao falar de seu HD cheio de pornografia, após ter tido um caso com sua irmã.
    Não o vejo também como alguém perverso. A presença da irmã o incomoda porque coloca uma espectadora compartilhando a intimidade que ele quer manter escondida, da qual se envergonha tanto. Ele fica exposto. Além disso, a presença de alguém que vem do mesmo passado traumatizante, que o faz lembrar quem ele é, ela que deixa tão claro suas fragilidades e que não esconde seu jeito extravagante e diferente (até na maneira de se vestir, de se apaixonar, de implorar ao ex pelo telefone, etc) o faz desprezá-la. Ela não se importa de ser diferente e não quer a aceitação social; prefere desistir de viver - já tentou se matar outras vezes - a se tornar uma igual.
    Ele acha que foi aceito por ter vencido - tem um apartamento, um bom emprego. Quando a irmã o flagra se masturbando e vê a prostituta no computador, ele odeia ver sua fraqueza exposta, joga tudo fora e tenta o relacionamento com a moça do trabalho, numa tentativa extrema e desesperada de ser normal, mas não consegue. Desiste, então, entrega-se a uma noite autodestrutiva e condenável e, por fim, percebe que não é melhor que sua irmã e o quanto precisa de alguém com quem pode ser o que é. Por isso sofre tanto ao vê-la quase morrer.
    Com todas as exigências de uma sociedade cada vez mais politicamente correta, que valoriza a perfeição física e o sucesso a todo custo, não é difícil encaixar outros tantos perfis de frustrados imperfeitos nesse drama tão atual.

    ResponderExcluir

 
Top