0

Depois de passar por Brasília, a Mostra O Cinema Seminal de Nicholas Ray será apresentada de 16 de novembro a 4 de dezembro em São Paulo e no Rio de Janeiro, no CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil). O evento reúne as obras do grande cineasta Nicholas Ray, como uma forma de homenagem em memória à sua genialidade, no ano em que o diretor completaria 100 anos de idade (2011).

Os filmes de Nicholas Ray trazem consigo elementos que compõem o cenário da juventude das décadas em que viveu, com muita inovação e polêmica, ao mesmo tempo. Aqui no Brasil, as produções do cineasta não são tão difundidas e encontradas com facilidade. Além de diversos clássicos, como No Silêncio da Noite (1950), Cinzas que Queimam (1952), Johnny Guitar (1954), Juventude Transviada (foto, 1955), Amargo Triunfo (1957) e Sangue sobre a Neve (1960), dois títulos raros e inéditos aqui em nosso país também serão exibidos. Por isso, vale muito a pena conhecer e participar da mostra.

Nicholas Ray foi fonte de inspiração para muitos cineastas, como, por exemplo, Wim Wenders, que já teve Ray como ator no filme O Amigo Americano (1977) e também dirigiu o documentário O Filme de Nick (1980), que retrata a vida de Ray. Dentre as atrações selecionadas para serem exibidas nessa retrospectiva, está o último longa-metragem dirigido por Nicholas Ray, considerado símbolo de sua personalidade e ousadia, cujo título é We Can’t Go Home Again (1976), restaurado recentemente pela Fundação Nicholas Ray. Essa será a segunda vez que o filme será exibido mundialmente após sua reconstituição, sendo que a primeira foi em um festival em Veneza.

A mostra também será prestigiada com presenças como a de Susan Ray, viúva e colaboradora de Nicholas Ray, e também diretora do filme Don’t Expect Too Much (2011) – que relata fatos sobre os últimos dias de filmagem do longa We Cant’ Go Home AgainSusan ministrará um seminário nos CCBB’S de São Paulo e Rio de Janeiro; em São Paulo também haverá um debate com os críticos Inácio Araújo e Francis Vogner dos Reis, sobre a obra do diretor. 


Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

 
Top