3
Sob direção de James Bobin, voltam às telas do cinema os adoráveis e excêntricos fantoches, unidos novamente para recuperar o Estúdio dos Muppets, que está prestes a ser destruído pela ganância do malvado empresário da indústria petrolífera, Tex Richman (Chris Cooper). 

Podemos interpretar esse conflito de interesses como uma dualidade entre os valores das diferentes épocas e, consequentemente, como uma crítica ao fato de que atualmente interesses econômicos parecem estar sobrepostos à cultura e à história dos povos.

Para conseguir readquirir não só o espaço, mas o direito de uso do nome, os Muppets precisam montar um show para arrecadar o dinheiro necessário e, muito mais, precisam resgatar os laços de amizade que os uniam e a “identidade Muppet”, que lhes garantia o sucesso no passado. No entanto, com a ajuda e o incentivo de um fã muito especial, Walter (voz de Peter Linz), e do casal Gary (Jason Segel, de Professora Sem Classe) e Mary (Amy Adams, de O Vencedor), tudo se torna possível.

A proposta de retomar antigos sucessos da televisão e do cinema, trazendo de volta personagens que marcaram diversas gerações, obtém êxito nessa obra mais uma para a longa trajetória dos Muppets , que passa a mensagem de que não podemos e não devemos esquecer da força das tradições, por mais que o ritmo da sociedade atual seja outro e as demandas culturais também tenham mudado. Fica a ideia: clássicos são sempre clássicos.

Com uma excelente produção, que mistura os efeitos e a tecnologia modernos com a antiga atmosfera dos bonecos de fantoche, Os Muppets é uma comédia capaz de entreter a família inteira e de fazer com que se acredite que nunca é tarde para recomeçar. Os adultos irão sair do cinema com a nostálgica sensação de reviver o contato com um clássico da infância e as crianças terão a oportunidade de conhecer a magia e a pureza que permeia o humor sutil e ingênuo dos Muppets.

Destaque também para as falas metaficcionais dos personagens, que dialogam com o público sobre a própria diegese do filme e para a coexistência de bonecos e atores reais, que tornam a mistura ficção-realidade ainda mais atraente e divertida. Por fim, para não fugir do modelo característico das produções da Disney, também marcam presença o maniqueísmo dividindo o “bem” e o “mal” e o já esperado happy end. 

Por: Joana Angélica Souza


Os Muppets (The Muppets) – 98 min 
EUA – 2011
Direção: James Bobin 
Roteiro: Jason Segel, Nicholas Stoller 
Elenco: Jason Segel, Amy Adams, Chris Cooper, Rashida Jones, Donald Glover, Leslie Feist, Alan Arkin, Kristen Schaal, Eddie “Piolín” Sotelo, Ken Jeong, James Carville, Rico Rodriguez, Judd Hirsch, Zach Galifianakis

Estreia: 02 de dezembro

Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

  1. Esse filme é muito ruim. Enredo, situações e piadas mais do que clichês. A produção foi ótima, mas é a comédia mais sem graça que já assisti.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, pra quem curte Muppets de verdade, esse filme foi um horror...o roteiro do filme, a história horrível, os atores pateticamente dançando e cantando, muito melancólico, nada a ver com a a essência dos Muppets...crise de criatividade na Disney, haveria muitas formas mais animadas de trazer os Muppets para as novas gerações, não dessa forma pobre..."Pobre" Disney...não basta ter dinheiro pra fazer superprodução, tem que ter alegria, animação, bom humor, criativade, é simples, mas já ouvi de um professor: o simples não é fácil!

    ResponderExcluir
  3. Fã fã dos Muppets nunca fui.. há momentos em que chega a ser cansativo assistir, mas há duas coisas que me fazem querer assistir esta versão.. a atriz Amy Adams, que acho talentosa, e a esperança de que seu humor tenha sido renovado, que algo me surpreenda no filme. As canções pelo menos eu soube que não decepcionam, só falta ver o filme hehe :P

    ResponderExcluir

 
Top