4

Quem nunca passou por uma rejeição? Se falarmos de rejeições amorosas então! A maioria de nós é capaz de enumerar várias delas. Só quem já passou por isso sabe a dor que se sente, talvez seja um dos sentimentos mais dolorosos. Mas essa dor está ligada à importância da pessoa que nos rejeitou. Rejeições amorosas doem, mas geralmente acabamos nos acostumando com a ideia, e cedo ou tarde já estamos amando outra pessoa. Porém, o que dizer da rejeição de um pai ou uma mãe? As pessoas das quais mais esperamos amor, especialmente se estamos falando de uma criança.

É muito difícil para um menino ou menina lidar com o fato de ter sido rejeitado pelos próprios pais, e cada um reage à sua maneira. Cyril (Thomas Doret), protagonista de O Garoto da Bicicleta, reagiu tornando-se um garoto agitado e briguento, que não aceitava de jeito nenhum sua rejeição. Seu pai o deixou em um orfanato dizendo que sua estadia lá duraria apenas um mês, enquanto pudesse arrumar algum dinheiro, mas vários meses depois o menino ainda não havia recebido um telefonema sequer. Já preocupado, Cyril foge e vai até sua antiga casa em busca de seu pai, e de sua querida bicicleta.

O garoto não encontra o que sua alma tanto almejava, mas durante a fuga acaba chamando a atenção de uma jovem, a cabeleireira Samantha (Cécile De France, de Além da Vida). Ela presencia o momento em que Cyril é recuperado pelos responsáveis do orfanato e, por ouvir a conversa entre eles, acaba ficando a par da situação do menino. Dias depois, Samantha vai até o orfanato de Cyril levando sua antiga bicicleta e o garoto, surpreso, pede que a moça seja sua guardiã nos fins de semana. Assim começa a amizade entre eles, mas só depois de muitos reveses e graças à força de vontade de Samantha o amor dela irá começar a curar o pequeno coração do menino.

Aqui vale a observação de que o estreante Thomas Doret é um ótimo protagonista, mas o que realmente impressiona é a atuação de Cécile no papel da cabeleireira. A bela atriz de origem belga mostra uma qualidade incrível de atuação ao transmitir a coragem de Samantha para defender Cyril coragem que faz falta em muitas mães biológicas. Ademais, o filme dos irmãos Dardenne é marcado pelo realismo dos personagens, todos bastante convincentes, e é um exemplo de como o amor é importante e transformador na vida das pessoas, principalmente na vida de uma criança.



O Garoto da Bicicleta (Le Gamin au Vélo) – 87 min 
Bélgica, França, Itália – 2011
Direção e Roteiro: Jean-Pierre Dardenne, Luc Dardenne
Elenco: Thomas Doret, Cécile De France, Jérémie Renier, Egon Di Mateo

Estreia: 18 de novembro (Rio de Janeiro e São Paulo)

Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

  1. Sou mais o ano em que meus pais saíram de férias !

    ResponderExcluir
  2. Caro Lucas.
    Nesse ótimo O Garoto da Bicicleta faltou , para mim, entender o significado da inserção, por 3 vezes, ao longo do filme, dos primeiros acordes do 1º movimento do concerto para piano e orquestra de Beethoven.Se souber , meu endereço é sarub@uol.com.br.
    Markut

    ResponderExcluir
  3. Achei esse filme péssimo... e a trilha sonora que entra derepente? puts...o final é horrível...

    ResponderExcluir
  4. Li numa entrevista com os Dardenne que a inserção breve da trilha sonora, inexistente nos filmes anteriores, era uma forma de se fazer uma "carícia leve em Cyril". Ou seja (pelo menos foi assim que compreendi): uma forma de fazer a personagem - e a plateia, por tabela - respirar um pouco no meio da aridez. Achei perfeito, porque não é música que faz chorar, aquela que faz o comentário "ah, coitadinho dele, como sofre..." São os momentos que sublinham a dignidade trágica do personagem, sem pena.
    Carla

    ResponderExcluir

 
Top