4

A história de Athos, Porthos, Aramis e D'Artagnan é um clássico da literatura mundial, e por isso mesmo merece ser contada sempre que possível. E ainda que sofram ligeiras alterações de roteiro, os filmes que tratam do assunto, em geral, seguem a mesma linha: D'Artagnan marca duelos com os três, se encontram os quatro, lutam contra os guardas do cardeal Richelieu e viram amigos inseparáveis. Em Os Três Mosqueteiros 3D não é muito diferente. 

Desta vez a trama abre com um D'Artagnan muito novo, partindo do interior rumo à grande cidade de Paris, para se tornar um mosqueteiro e enfrentar inúmeras aventuras. Ele é jovem, destemido e ansioso por provar a si mesmo, além de ter um pendor todo especial para encontrar problemas. Em menos de 20 minutos de filme o mancebo já havia puxado briga com o capitão Rochefort (Mads Mikkelsen, de Fúria de Titãs), escapado de morte a bala, recebido uma multa em seu cavalo (!) e marcado duelo com os Três, em horários diferentes, é claro.

Se você achou que esta introdução significa um filme focado em D'Artagnan, está enganado. Foi só um pretexto para apresentar o jovem aos mosqueteiros. A trama real precisou ser explicada por um narrador e alguns infográficos, antes mesmo de D'Artagnan aparecer, e é um dos pontos fracos do filme. O roteiro é insosso e fútil, com um Cardeal Richelieu (Christoph Waltz, de Água para Elefantes) insano, sedento de poder e um rei desnecessariamente burro e frívolo. Tudo gira em torno das tentativas do cardeal de assumir o trono, e de uma trama enfadonha para fazer o rei crer que a rainha é infiel, e, por conta desta infidelidade, promover uma guerra contra a Inglaterra.

É inevitável a comparação do D'Artagnan atual com Chris O'Donnel, do filme de 1993. O fato de Logan Lerman (de Percy Jackson e O Ladrão de Raios) ter cara de cantor adolescente também não ajuda. Não bastasse isso, ainda temos os três mosqueteiros, vividos por Matthew Macfadyen (de Robin Hood e Frost/Nixon), Ray Stevenson (de Thor) e Luke Evans (de Robin Hood e Fúria de Titãs), que remetem a uma nova comparação com o filme de 93: Os atores do filme de Stephen Herek eram muito mais experientes na época, e a sensação que temos é de que, à exceção de Ray Stevenson (Porthos), nenhum deles estava preparado para um papel tão importante. Não há o mesmo brilho e naturalidade. 

Mas nem tudo está perdido quando existem vilões de qualidade. E do lado de cá temos um time de peso, composto por Milla Jovovich (de Homens em Fúria), vivendo Milady de Winter, os já citados Mads Mikkelsen e Christoph Waltz, além de um Orlando Bloom (de Piratas do Caribe) impagável e irreconhecível como o Duque de Buckingham. Estas quatro estrelas  vão literalmente preencher os céus da França e salvar o filme, ainda que seu objetivo maior seja mesmo o de derrubar os Três Mosqueteiros e seu amigo D'Artagnan. Perseguições implacáveis, muitas acrobacias e tecnologias nada originais mas muito bem aplicadas dão o tom certo de exagero e explosões que gostamos de ver numa produção como essa, sem nenhuma vergonha.

Numa visão geral, Os Três Mosqueteiros 3D certamente vai agradar aos mais jovens, e a quem não viu a versão anterior. Há piadas, ainda que não das melhores, e ação suficiente para não tornar o filme enfadonho, apesar de tudo. É claro que a "norte-americanização" de comportamentos e cenários pode afetar os mais detalhistas, mas, se você não for francês, vai deixar passar. 

Por: Stefano Aguiar

Compre nos EUA e receba na sua casa 



Os Três Mosqueteiros (The Three Musketeers) – 110 min
EUA, Inglaterra, França, Alemanha – 2011 
Direção: Paul W.S. Anderson 
Roteiro: Alex Litvak, Andrew Davies – Baseado no romance Les Trois Mousquetaires, de Alexandre Dumas 
Elenco: Matthew Macfadyen, Milla Jovovich, Luke Evans, Ray Stevenson, Til Schweiger, Orlando Bloom, Logan Lerman, Mads Mikkelsen, Cristoph Waltz, Carsten Norgaard, Gabriella Wilde, James Corden 

Estreia: 12 de outubro

Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

  1. Eu acho que se Dumas vivesse nos dias de hoje, ele violaria a história original que nem Anderson fez, eu pessoalmente gostei do filme, ficar repetindo o que já foi feito não tem a menor graça fora que denota uma grande falta de criatividade e até um apego excessivo, foi a adptação de um clássico, foi exagerado um pouco, sim, mas não acho que deveria ter sido rigídamente arcaico só por isso.

    ResponderExcluir
  2. Eu não tenho preconceito com filmes cheio de efeitos e meio frívolos, mas esse, apesar de um pouco divertido, não valeu a produção. Como dito acima, os vilões são excelentes, mas queremos ver mesmo os grandes três Mosqueteiros e D'Artagnan, que não passam nem perto da postura leve e natural dos descritos por Alexandre Dumas ou personificados no filme de 93.

    ResponderExcluir
  3. ACHEI O FILME PERFEITO. QUEM NÃO GOSTAR ESQUECEU QUE FOI CRIANÇA. A HISTÓRIA ROLA COMO QUADRINHOS. OS EFEITOS SÕS NOTÁVEIS. PARABENS

    ResponderExcluir
  4. O Dartagnan precisava ser feiote para ser credível, é? O Ray é um actor talentoso, estou de olho nele desde a série Rome, onde actuou junto com o Kevin McKidd.E o Mathew tem uma voz poderosa de trovão. Tem de facto uma presença intensa. Filme que não dá para cansar no meio. Desenrola-se com uma ação constante do principio ao fim. Maravilhoso. Vale o dinheiro do bilhete.

    ResponderExcluir

 
Top