1

Não Me Esqueça, Istambul é uma reunião de sete curta-metragens que relatam diferentes experiências na maior cidade da Turquia e quinta maior do mundo. A antiga Constantinopla, atual Istambul, é a cidade mais populosa do continente europeu, tem maioria mulçumana, lindos pontos turísticos e cultura diversificada. Cada curta traz um pouco da complexidade regional do lugar, com reflexões profundas sobre sociedades e relacionamentos, roteiros bem estruturados que unem importantes fatos históricos aos personagens, com atuações fortes e expressivas.

Em Mirko, de Stefan Arsenijević, Ana (Mira Furlan) e Dragan (Svetozar Cvetkovic) estão de férias em Istambul, mas a relação conturbada do casal não faz desta uma situação agradável. A mulher de feição marcante parece estar atormentada por perdas do passado e a rotina do trabalho. Ao ver um jovem desconhecido, vivido por Ahmet Rifat Sungar, ela acredita ter reencontrado seu filho, Mirko, morto na guerra que assolou os Balcãs na década de 1990, e experimenta, então, um momento que parece não ser mais seu.

Em Otel(o), de Aida Begić, as personagens usam seus próprios nomes. Alma Terzic, é uma jovem atriz da Bósnia, que se prepara para um teste em Istambul. Sob constante pressão de seu ciumento noivo, ela encontra apoio na questionadora garçonete Ayça Damgaci, que lhe ajuda com os ensaios. O curta traz uma visão realista da personagem Desdemona, de Shakespeare, através das indagações de Ayça e essa reflexão parece tomar conta da jovem atriz.

Omar Shargawi dirige A Garota Judia. Nesse curta, Ali Suliman é Fayez, um escritor palestino que defende em seus escritos ideias revolucionárias de paz entre Israel e Palestina. Para tentar adaptar seus livros ao cinema, Fayez viaja até Israel, onde conhece Sherine (Liraz Charhi) e com quem vai passar alguns dias em Istambul. Os enquadramentos, na maior parte do tempo em close, ampliam a sensação de suspense, de observação, e do perigo que o palestino parece correr, se deixando seduzir pela bela israelense. Roteiro e fotografia impecáveis.

Giorgos Symeonidis é Vangelis, no curta de Stergios Niziris, Estranho da Meia Lua. Suas frequentes viagens a Istambul estão relacionadas a seu trabalho. Apesar de se deslocar da distante Salónica, Vangelis não pernoita em Istambul, passando grande parte do tempo em percurso. Fotografia, cenários e enquadramentos são cuidadosamente elaborados para descrever um homem solitário, que se diz andar no lado obscuro da lua. Mas Istambul lhe reserva um encontro e vivências que abalam seu estado de espírito.

O curta Bolis, de Eric Nazarian, traz um enredo repleto de sensibilidade. O músico Amernack, interpretado pelo ator Jacky Nercessian, tem uma ligação complexa com Istambul. Ele procura a antiga loja do seu avô, onde estaria o mais antigo alaúde da família. Ir à cidade não é tão simples. Seu avô era armênio e, após ter sido capturado em Istambul, foi vítima do holocausto de 1915. Os acordes e sons do instrumento de cordas em forma de pera embelezam as cenas de diálogos singelos e reveladores. O filme de roteiro brilhante tem desfecho ainda mais encantador.

Encantador de igual forma é Almost, de Hany Abu-Assad. A senhora aparentemente frágil que não via sua irmã há 62 anos, vai a Istambul com a filha para reencontrá-la. As irmãs se separaram durante a criação do Estado de Israel; outra vez se faz presente a dicotomia israelenses/palestinos. O filme traz uma delicada reflexão sobre desafios e lutas. Samah, vivida por Salima Hamed, passa por situações difíceis para uma pessoa da terceira idade, quando se vê perdida na imensa cidade. A interpretação da atriz é impressionante, chega a angustiar e comover o espectador.

Epílogo, dirigido por Josefina Markarian, traz um dos produtores do projeto, Huseyin Karabey. O cineasta aluga o antigo apartamento do escritor grego, Petros Markaris, que havia deixado Istambul na década de 1960. Petros volta à cidade para reviver momentos e revisitar lugares. Os diálogos alegres se baseiam nas fotografias antigas e nos relatos de experiência pessoal. Esse curta encerra Não Me Esqueça, Istambul, uma produção imperdível.

Por: Daisy Soares   


Não Me Esqueça, Istambul (Unutma Beni Istanbul: Do Not Forget Me Istanbul) – 118 min 
Turquia, Grécia - 2011 
Direção: Hany Abu-Assad, Stefan Arsenijević, Aida Begić, Eric Nazarian, Stergios Niziris, Omar Shargawi, Josefina Markarian 
Roteiro: Stefan Arsenijević, Aida Begic, Gul Dirican, Nazli Elif Durlu, Josefina Markarian, Eric Nazarian, Omar Shargawi, Stergios Niziris, Hany Abu-Assad 
Elenco: Alma Terzic, Ayça Damgacı, Mira Furlan, Svetozar Cvetkovic, Ahmet Rıfat Şungar, Ali Suliman, Jacky Nercessian 

Estreia: 06 de outubro (Festival do Rio 2011)


Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

  1. Tive o prazer de assistir à seleção dos 7 documentários de Não me esqueça Istambul e aconsleho muito esta obra! Vale muito a pena ler as obras de Orhan Pamuk, principalmente seu livro homônimo à cidade, antes de ver o documentário... é como passear pelas belas descrições de Pamuk.

    ResponderExcluir

 
Top