2

Quatro rapazes, algumas decepções e música, muita música, é o mote de Os Monstros, dos diretores Guto Parente, Luiz Pretti, Pedro Diógenes e Ricardo Pretti (de Estrada Para Ythaca), cuja produção é totalmente independente e baseia-se na amizade dos personagens. Apesar do nome, em Os Monstros não há nenhuma criatura aterrorizante; o título se dá por certa opressão – proposital – que é percebida ao longo de cada cena. A noite é o cenário, junto com a praia, o bar, uma festa e um apartamento.

A narrativa é singela, com poucas falas; trata-se de um Cinema Coletivo”, no qual cada um, de alguma forma, completa o outro, sem ofuscar as qualidades alheias, mas complementando-as. O longa é encenado pelos próprios diretores e é exatamente por ter essa característica que é possível sentir a veracidade das emoções. A desilusão amorosa de um dos ‘personagens’ é o início da obra, que em sua decorrência também ilustra a frustração profissional de dois dos amigos, e chega a emanar certa ‘cafonice’ em momentos sensíveis e apaixonados dos garotos.

O posicionamento das câmeras transmite a sensação de pulsação e vivacidade, ora em movimento, ora fixas; mas ambas as maneiras afirmam o lugar e não têm medo de enfatizar as amarguras. A fotografia também é prova de que até mesmo um cenário ruidoso, ‘sujo’ e noturno é capaz de se tornar belo; e é exatamente essa a identidade de Os Monstros.

A ousadia e inovação destes jovens cineastas foi capaz de integrar na trama um estilo musical – que apesar de existir há mais de 50 anos – é pouco difundido na nossa cultura; gênero chamado “improvisação livre”, que consiste em uma manifestação musical a partir da afinidade com algum instrumento, e tocá-lo da maneira que lhe convir; o importante é sentir. As vertentes dessa ramificação musical vêm desde o jazz, composições eruditas, música balcânica e mais uma infinidade de raízes, que foram se agregando e se transformaram no que é retratado brilhantementeno filme

Apesar da descrição atraente, como o próprio diretor Ricardo Pretti disse em um bate-papo exclusivo na pré-estreia (14/09) no MIS (Museu da Imagem e do Som), em São Paulo, “para ouvir esse tipo de música é importante que se deseje realmente escutá-la”; é uma melodia quase que incessante para quem ouve, pela distorção, dissonância e ausência de sonoridade de notas específicas; não há uma regra para se findar, chega a causar até certa aflição nos espectadores em determinados momentos.

É justamente essa a intenção: causar alguma reação, seja ela qual for. O intuito é fazer com que cada um traduza aquela experiência e a agarre para si, de acordo com a concepção ali adquirida, naquele momento. Portanto, este longa é a tradução de que quando se tem amigos, a união das forças e talentos somados a algumas oportunidades podem transformar momentos amargos em uma maneira nova de se viver e encarar a vida.

Os Monstros já foi exibido em importantes festivais e é um longa-metragem da Alumbramento, que entrará em cartaz pelo projeto Sessão Vitrine, que acontece nas seguintes capitais: São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, Goiânia, São Luiz, Porto Alegre, Curitiba, Florianópolis, Belém, João Pessoa, Maceió, Salvador, Belo Horizonte, Fortaleza, Campo Grande e Vitória. Antes de cada sessão será exibido o curta-metragem Adormecidos, de Clarissa Campolina.


OS MONSTROS Trailer Oficial from Alumbramento Filmes on Vimeo.

Os Monstros – 81 min 
Brasil – 2011 
Direção e Elenco: Guto Parente, Luiz Pretti, Pedro Diógenes, Ricardo Pretti

Estreia: 16 de setembro

Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter O Cinema está na Rede e também no Facebook

Postar um comentário

  1. A Vitrine sempre com filmes interessantes na manga, e lançando cineastas de futuro no mercado.

    http://cinelupinha.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Um dos melhores filmes do cinema atual!
    É disso que o cinema brasileiro precisa. Esse filme é um grito cinematograficamente potente, humano, desesperador, real, vivo...
    Parabéns para aqueles que ainda acreditam nesse tipo de cinema.

    ResponderExcluir

 
Top