8

Sabe quando um time reúne um elenco de craques e deixa sua torcida em polvorosa para ver logo aquele dream team em ação? Pois é com ansiedade semelhante que os cinéfilos aguardam a estreia de Super 8, produção assinada por dois dos artistas mais talentosos e criativos da atualidade: J.J. Abrams (criador das cultuadas séries Alias e Lost) e o consagrado Steven Spielberg, vencedor de duas estatuetas do Oscar de melhor diretor, por O Resgate do Soldado Ryan (1998) e A Lista de Schindler (1993).

E o palco para a apresentação à imprensa não poderia ter sido melhor escolhido. Depois de conferir a primeira exibição de um filme em 4K no Brasil, o Cinema na Rede viu Super 8 na primeira sala Imax do Rio de Janeiro, também no UCI New York City Center. A experiência de curtir os efeitos especiais, elaborados pela Industrial Light & Magic, empresa criada por George Lucas em 1975, é maximizada por esta tecnologia e a imersão na obra é potencializada não somente pelo tamanho da tela, mas também pela incrível qualidade de imagem e, principalmente, de som – a telona tem 18 metros de largura por 10 de altura e o sistema de som é de 24 canais, com 12 mil watts de potência.

Tanto Abrams (com apenas 8 anos ele já fazia filmes caseiros) quanto Spielberg começaram suas carreiras filmando em Super 8 e 8mm e, por isso, este projeto tem um admirável valor pessoal e sentimental para os cineastas. O elenco principal é composto por seis jovens amigos que resolvem fazer um curta-metragem para participar de um festival de cinema. Os atores foram escolhidos de forma que pudessem transmitir a química que amigos de infância têm e, para isso, nomes conhecidos, como Elle Fanning (de Um Lugar Qualquer), que interpreta a corajosa Alice, se juntaram a iniciantes, como os ótimos e carismáticos Joel Courtney (o retraído Joe Lamb) e Riley Griffiths (o aspirante a cineasta Charles).

Passado no fim dos anos 1970, na pequena cidade fictícia de Lillian (Ohio), Super 8 tem como um de seus maiores méritos a caprichada reconstrução da estética setentista aliada a exuberantes efeitos visuais. Tendo-se consciência de que o exagero e a inverossimilhança fazem parte da ficção científica, o excesso de explosões não incomoda em momento algum; pelo contrário, diverte. Além disso, é um deleite perceber a semelhança do enredo com determinados aspectos de pérolas como Conta Comigo (1986), de Rob Reiner, Contatos Imediatos de Terceiro Grau (1977), de Spielberg, Os Goonies (1985), de Richard Donner, e, claro, Lost.

Enquanto os seis amigos estão produzindo um filme de zumbis (as cenas das filmagens são hilárias), eles acabam testemunhando um catastrófico acidente de trem. Mas, quando descobrem que o aparente acidente foi um evento planejado, desaparecimentos e eventos inexplicáveis começam a acontecer na cidade. O clima de mistério é amplificado pela presença militar, e o pai de Joe, o policial Jackson Lamb (Kyle Chandler) irá enfrentar até a Força Aérea em busca de respostas.

Além de ser uma ótima aventura de ficção científica, a produção de Spielberg, J.J. Abrams e do menos famoso Bryan Burk é uma fábula sobre saber lidar com as diferenças e aceitá-las, em vez de confrontá-las. E, acima de tudo, uma ode de amor ao cinema. Os garotos Steven e Jeffrey Jacob cresceram e agora desfrutam de orçamentos milionários e tecnologias avançadas para realizar suas brincadeiras de adultos, mas com almas de crianças. E, importante: não perca os créditos, com o curta dos garotos de Super 8.


 
Super 8 – 112 min
EUA – 2011
Direção e Roteiro: J.J. Abrams
Elenco: Kyle Chandler, Elle Fanning, Joel Courtney, Gabriel Basso, Noah Emmerich, Ron Eldard, Riley Griffiths, Ryan Lee, Zach Mills

Estreia: 12 de agosto.

Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter

Postar um comentário

  1. Não percebo como é possível fazer-se uma critica positiva a este filme. O filme não oferece nada de novo e um bom filme de ficção cientifica caracteriza-se por tornar real para o espectador algo que não é. O melhor exemplo é o ET sabemos que não é real mas o filme conquista-nos de uma forma que achamos que é real, o mesmo acontece com os encontros imediatos do 3º grau, por isso, contrariamente ao que diz, o excesso de explosões e inverosimilhança incomodam e muito. Abrahams e Spielberg tinham obrigação de fazer melhor, não digo uma obra prima, mas colocar um comboio a descarrilar porque uma carrinha se colocou no meio da linha, resultando em explosões sem fim e depois o homem que estava dentro da carrinha permanece vivo com uma pistola na mão é incompreensível. Depois disto, não existe uma linha de seguimento com história minimamente atractiva e com nexo para quem vê. Trata-se um um excelente pedaço de lixo, que por ser feito por dois nomes conceituados é criticado positivamente. Os jovens actores estiveram bem, mas não chega era necessário muito mais para que este filme se pudesse colocar num patamar mediano.

    ResponderExcluir
  2. horrível...
    a história é uma repetição boba do filme E.T.
    Creio que faltou ação no final, o et foi embora com muita facilidade e pouca ação.

    O suspense no início do filme não foi compensado pelo desfecho.

    ResponderExcluir
  3. Embora seja um bom filme, com certeza não é um que irá agradar a gregos e troianos. Talvez, se tivesse sido lançado nos anos 80 (mesmo sem a tecnologia atual) teria esse efeito. Esse é um filme que agradará aqueles que se deliciaram vendo filmes como Jurassic Park e E.T. Há sim cenas que ficam meio incompreensíveis, mas a trama flui corretamente e, embora o desfecho desaponte um pouco, não é nada que condene o filme. É no fim um bom filme para passar tempo.

    ResponderExcluir
  4. esse além de ser uma homenagem ao Spielberg é uma boa maneira de recordar os filmes da decada de 80,um pouco de inocência e aventura que não se vê nos dias de hoje!e ainda tem a linda e talentosa Elle Fanning abrilhantando o filme!Marcos Punch.

    ResponderExcluir
  5. Como eu não iria adorar, se sou fanática pelo Os Goonies?! Super 8 é igualmente apaixonante!! As cenas das filmagens são ótimas, com destaque para o trem descarrilando. Enfim, o filme é leve, envolvente, e o melhor: é a cara do Spielberg.

    ResponderExcluir
  6. Concordo em gênero, numero e "degrau" com que o primeiro comentarista disse... O filme realmente parecer ter sido realizado nos anos 70!!! Será que não foi???
    O Spielberg está me surpreendendo, negativamente... Nem quero falar da quela M... do Atividade Paranormal... Aquilo não é para normal, não!
    Que droga, esse super 8... Ainda se tivessem realizado nesta bitola, com custo abaixo de 1 milhão de dólares...

    ResponderExcluir
  7. foi uma porcaria faltou ação

    o final foi fraco
    e o alien foi enbora com muita facilidade
    o começo foi bom mas o fim estragou o filme

    ResponderExcluir

 
Top