1


Seja para instigar o saudosismo dos adultos ou apresentar as divertidas histórias da turma do Bosque dos 100 Acres à geração dos nativos digitais, o estúdio Walt Disney Animation leva aos cinemas a primeira aventura cinematográfica de animação da Disney com o Ursinho Pooh em mais de 35 anos. Inspirado em cinco histórias dos livros de A.A. Milne, feito à mão no estilo de arte característico dos estúdios de Mickey Mouse (presente em uma bonita abertura vintage), Winnie the Pooh chega às telonas em um momento em que as distribuidoras têm privilegiado investir em produções mais “adultas”, e desenhos mais inocentes e com menos pirotecnias visuais têm sido lançados diretamente em DVD, com poucas exceções, como O Mundo Encantado de Gigi, por exemplo.

O roteiro de Winnie the Pooh inova em seu formato, como se abrisse as asas da imaginação de uma criança quando ouve atentamente seu pai ler um livro. Inclusive, as letras impressas em suas páginas têm  (literalmente) participação ativa – e importante – na história. O inglês A.A. Milne (1882-1956) escreveu dois livros e diversos poemas sobre o ursinho que adora mel e Christopher Robin (personagem homônimo ao filho de Milne – o urso de pelúcia de Robin inspirou a criação de Pooh). O simpático e atrapalhado Ursinho Pooh é daqueles personagens que ultrapassam gerações e culturas e, talvez pela internacionalização de sua imagem, a Disney decidiu por lançar globalmente a animação com título padronizado em inglês, sem a tradução a que muitas pessoas se acostumaram (Ursinho Puff no caso do Brasil). Imagine um longa do Pateta sendo lançado em terras tupiniquins como Goofy...  



Na singela história (narrada na versão original pelo ex Monty Python John Cleese), tudo começa quando perde sua cauda e os amigos da floresta se reúnem para investigar o desaparecimento, que se desdobra em uma trama repleta de divertidos mistérios, surpresas e cenas hilárias. A animação é inocente e claramente direcionada ao universo infantil, mas o programa pode ser bom não só para os pequenos, mas também para os pais poderem se divertir ao rever nas telonas os trejeitos e as confusões de personagens tão simpáticos e queridos. 

O roteiro faz questão de dar destaque a todos e, não só Pooh, mas seus amigos Tigrão, Coelho, Leitão e Corujão protagonizam ótimos momentos em uma busca frenética para salvar Christopher Robin de um sequestrador imaginário (dica: não deixe a sala antes do fim dos créditos). Winnie The Pooh será lançado no Brasil apenas em versão dublada e vale a pena prestar atenção na trilha sonora, que conta com participação de Fernanda Takai, da banda Pato Fu. Na versão original, a atriz, cantora e compositora Zooey Deschanel (da banda indie She & Him) interpreta a canção tema. 



Winnie the Pooh (Winnie the Pooh) – 69 min
EUA – 2011
Direção: Stephen J. Anderson, Don Hall
Dublagem Original: Jim Cummings, Craig Ferguson, Tom Kenny, Travis Oates, Bud Luckey, John Cleese

Estreia: 08 de julho.
 
Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter

Postar um comentário

 
Top