1

Bianca Ventura é uma atriz que ainda não alcançou sucesso. Para sobreviver, faz divulgação de eventos e anima festas interpretando personagens como Marilyn Monroe, Carmen Miranda e Bettie Page. Sua sorte parece mudar quando faz um teste para um filme. Além de escolhida como protagonista, vê sua própria história servir de inspiração para o personagem que vai representar. Esse é o argumento de Riscado, primeiro longa de ficção dirigido por Gustavo Pizzi.

Riscado é um trabalho conjunto de Karine Teles, que interpreta Bianca, e Gustavo Pizzi, seu marido. Baseados nas experiências da atriz, os dois escreveram o roteiro, que, apesar de não se aprofundar, traça uma espécie de retrato da profissão. Uma questão é que ao ficcionalizar a trajetória de Bianca, tornando-a uma meta-ficção, dá a impressão de que a ficção de origem é real. Isso, de certo modo a generaliza, podendo fazer crer que todo ator passa pelas mesmas dificuldades que Bianca, o que não é necessariamente verdade.

Vencedora do prêmio de melhor atriz no Festival do Rio 2010, Karine Teles é o grande destaque da produção. Sua interpretação é repleta de pausas, inflexões de voz e olhares que acrescentam profundidade e verdade ao personagem, mostrando que já está pronta para chegar ao grande público. A boa interação com outros atores/personagens também é evidente, especialmente com Otávio Müller (de Cabeça a Prêmio), que faz o diretor de teatro Oscar, e Camilo Pellegrini, intérprete de Maurício, produtor do filme que será estrelado por Bianca

Outro ponto alto é a naturalidade do texto que, ainda que irregular, traz ótimas tiradas, como a sequência em que Bianca é contratada para representar a famosa cena em que Marilyn Monroe canta Happy Birthday numa festa de aniversário, mas sem exagerar na sensualidade. As sequências de canto e dança também são muito boas, como aquela em que Bianca interpreta Carmen Miranda na rua, acompanhada por uma banda, um verdadeiro carnaval.

Produção alternativa, rodada a baixo custo, Riscado busca um caminho autoral sem se afastar demasiadamente das possibilidades de mercado. E, importante,  mostra que o cinema brasileiro já tem maturidade para tratar de temas diversos, além dos habituais violência urbana, miséria, corrupção policial, além de comédias com uma pitada de sensualidade. E se assim como Bianca, a atividade cinematográfica nacional ainda parece buscar seu lugar ao sol, Riscado pode ser visto como mais um passo nessa direção, e os percalços no caminho como uma parte do espetáculo.



Riscado – 85 min
Brasil – 2010
Direção: Gustavo Pizzi
Roteiro: Karine Teles, Gustavo Pizzi
Elenco: Karine Teles, Otávio Müller, Dany Roland, Camilo Pellegrini, Lucas Gouvêa, Otto Jr. Gisele Fróes, Patrícia Pinho

Estreia: 09 de setembro.
Em cartaz no Festival do Rio 2011

Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter

Postar um comentário

 
Top