22

Sucker Punch: Mundo Surreal é, de fato, surreal. Com identidade visual marcada por uma fotografia que privilegia tons escuros, cinzentos, e boa parte das locações filmadas em ambientes insalubres ou em paisagens de um universo fantástico, a ambientação ‘delirante’ é constante no novo filme de Zack Snyder (de 300 e Watchmen). Ponto positivo para a fotografia por delinear com clareza a atmosfera sombria. Infelizmente, e ironicamente, o longa se perde, ao supervalorizar os tais quesitos ‘visuais’

Na trama dark, Baby Doll (Emily Browning) é uma garota mandada para o hospício pelo violento padrasto. Com a ajuda de suas novas amigas, decide fugir do ambiente inóspito e conquistar a almejada liberdade. No intuito de proteger-se contra os males mundanos que a cercam, a jovem cria um mundo de fantasias, um universo dominado pela sua mente criativa, no qual a vitória diante de guerreiros mais fortes e poderosos é possível

Mas a realidade insiste em vir à tona, e com isso, dificultar seus objetivos. A criação da mescla entre delírio e realidade, no entanto, encontra empecilhos em um roteiro que torna previsível o ‘embarque’ de ‘Baby Doll’ no seu imaginário. No momento de um desafio penoso, ela concentra-se e parte para o mundo dos sonhos. Simples assim. Lá, luta com criaturas desconhecidas e esbanja força e coragem. O ‘mundo particular’, obviamente, ela domina. O problema é a realidade



Apesar da excelente concepção visual dos ‘universos particulares’ da garota, e dos efeitos especiais e direção de arte perfeitamente eficazes, a direção usa e abusa do ‘efeito Matrix’ nas cenas de luta, com câmera lentas em giros no ar no momento em que a personagem desvia de algum artefato bélico, constantes planos detalhes em munições saindo de armas, estilhaços de vidro, ou em golpes deferidos contra algum oponente. Tais recursos, quando usados com precaução, conferem ritmo às sequências, mas o uso indiscriminado torna as batalhas enfadonhas. É improvável que o espectador se surpreenda. 

Não é tão comum assinalar em um filme qualidades e defeitos no mesmo quesito. Sucker Punch acerta e peca nos aspectos visuais. Apesar da excelente fotografia, direção de arte e figurino, que conferem o clima correto ao universo da protagonista, as convenções estilísticas quebram o ritmo de sequências de ação, que poderiam render mais. Para piorar, a maioria das cenas é acompanhada por músicas de pop-gótico. Mais uma vez, o recurso é usado em demasia. Em certo momento, parecia que eu estava assistindo a um vídeo-clipe da banda Evanescence

Os personagens pouco críveis, e o falho roteiro com as idas e vindas infrutíferas, não são o pior dos males desta despretensiosa fantasia. Filme-pipoca, claro. A diversão, contudo, é comprometida com os exageros no campo visual e sonoro. Afinal, o que viria a ser Sucker Punch: Mundo Surreal? Filme de fantasia ou um longo vídeo-clipe?


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.


Sucker Punch: Mundo Surreal (Sucker Punch) – 90 min
EUA, Canadá – 2011
Direção: Zack Snyder
Roteiro: Zack Snyder, Steve Shibuya
Elenco: Emily Browning, Abbie Cornish, Jena Malone, Vanessa Hudgens, Jamie Chung

Estreia: 25 de março.

Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter

Postar um comentário

  1. Esse filme promete ser muito bom! A história desconfio um pouco de que seja boa, mas deve ser sim.

    ResponderExcluir
  2. Com certeza a crítica não me desanimou e nem desanimará os expectadores deste filme tão aguardado. Os exageros ressaltados acima, refletem talvez na pouca identificação do crítico com o gênero, pois para mim, Snyder usa do efeito slow motion de forma criativa e adequada, não deixando o filme massante, e sim cada vez mais cheio de adrenalina, sem contar com a trilha sonora, que foi uma boa sacada, já que da o gás para fluidez das cenas empregadas. Que Venha Man of Stell, já que está quase certo o sucesso de Sucker Punch!!!

    ResponderExcluir
  3. Estava quase certo o sucesso de Sucker Punch, só esqueceram de avisar o público para gostarem do filme. :p. Crítica perfeita.

    ResponderExcluir
  4. Ótimo filme, cenas de ação perfeitas, trilha sonora impecável, e com uma mensagem filosófica bem peculiar. Snyder está de parabéns, por uma história fantastica e que ousa reunir elementos das mais diversas culturas pop. A direção de Superman está em mãos seguras!!!

    ResponderExcluir
  5. Esse filme é ruim demais, não tem um roteiro, nas tão famosas cenas de ação, eu ri, ou melhor gargalhei de tão ridiculo. Poxa quando uma garota, imaginaria aquilo, ela e amigas vestidas daquele jeito, lutando daquele jeito contra aqueles seres, um garoto adolescente e suas fantasias sexuais sim, mas não uma garota, e no fim aquela mensagem, tentando coloca uma lição a mais no fim, como se fosse série. Paciência, ri muito do ridiculo no inicio, depois enjoei. Um filme precisa mais do que imagens bonitas, lutas, e música, precisa de roteiro. E não vem com aquele papo, ahh, vai lá não leva a sério. Mas desculpe eu não consigo desligar o cérebro,e achar que esse filme é bom

    ResponderExcluir
  6. Sucker Punch é um filme para a massa, mas também para pensar!

    Não é verdade que não existe um roteiro: há temáticas que se entrelaçam: as mulheres na luta contra a opressão do homem, o estado de razão-irrazão do ser humano, a dança como instrumento de luta!

    Mas o mais fantástico é a história oculta, velada do filme: o filme é uma retrospectiva da visão ensandecida de sweet pee; nós, os espectadores não vemos a realidade, o mundo real do manicônio, mas a visão de sweet pee sobre os acontecimentos do manicômio, enxergamos como ela enxerga, a história não é de Baby Doll, mas de sweet pea que narra o filme e consegue se libertar. Este é o segredo mencionado no filme. "Esta história não é minha. Nunca foi, ela é sua!" (Baby Doll)

    ResponderExcluir
  7. Fiquei numa expectativa enorme de assistir esse filme: sempre curti essas temáticas de fantasia e ficção científica surreal, fazendo de Zack Snyder um dos meus diretores preferidos da nova geração. Só que Snyder mostra com “Sucker Punch” que existem pessoas que não nasceram para fazer certas coisas... Um diretor excelente e visionário, mas horrível para criar um roteiro original. “Sucker Punch” foi uma das grandes decepções que tive nos últimos anos... Não esperava mesmo uma história forte, mas a falta de coerência foi demais... Além disso, as cenas de ação (o que me interessava no filme) ficaram muito chatinhas depois da 1ª, num efeito "Power Ranger" (mudam os visuais e os inimigos, mas acaba parecendo sempre a mesma coisa), o exagero sem noção de câmera lenta é bem irritante e as frases clichês do tal “Wiseman” ficaram completamente fora do contexto; ainda mais o exagero da trilha sonora que realmente dá a impressão de estarmos assistindo um videoclipe nos primeiros cinco minutos, mas isso eu achei só no comecinho mesmo. Tudo isso é uma pena, pois pelo currículo de Snyder esperava algo muito, mas muito melhor; mesmo assim ainda tenho confiança nele e nos seu trabalho como diretor, e ainda assim não é o pior filme que eu já vi na vida, na verdade não chega nem perto disso.

    ResponderExcluir
  8. Muito fraquinho o filme.
    Gostei da trilha sonora, tem uma outra versão de Sweet Dreams e até uma das músicas da trilha sonora do Battlefield Vietnã.
    Acho que se a história fosse do início ao fim baseada nas missões delas sem a mistura do mundo surreal ia ficar melhor.
    A BabyDoll fica com a mesma cara vítima parecendo que vai chorar o filme todo e quase não fala.
    Não recomendo a ninguém pagar para assistir como eu fiz.

    ResponderExcluir
  9. Filme muito ruim. Sem mais!!!

    ResponderExcluir
  10. péssimo. Abaixo de qualquer critica.
    Nem vou comentar o assassinato de grandes canções.

    ResponderExcluir
  11. vc n entendeu filme direito,veja denovo,baby doll n é a protagonista do filme,concordo n parte em que vc fala da mescla de realidade e delirio,mas esqueceu de dizer que Zach tentou confundir as pessoas colocando um historia/personagem secundaria como a oficial,assim todos acharam que a babydoll era a louca quando n verdade tudo aquilo era visto por outra personagem rsrsrs

    ResponderExcluir
  12. A resenha tá perfeita!!! O filme é um longo video-clip. Chatissimo

    ResponderExcluir
  13. Acho que o filme tem uma pretensão absurda em ser um filme "cult" e não dá nem pro cheiro! Eles apostaram tudo no conceito visual e na trilha sonora que chega a cansar o espectador, realmente parece um video clipe de mais de uma hora! Com certeza foi a maior propaganda enganosa que já tive, quando vi a primeira arte do filme achei incrível, parecia a antiga comic a "Heavy Metal" infelizmente ficou só na concepção visual mesmo, tirando o exagero das câmeras estilo "Matrix" e os personagens "plastificados" que não geraram nenhum tipo de carisma com o telespectador.

    ResponderExcluir
  14. Só manolo entende este filme hauhauuahuahu.

    ResponderExcluir
  15. Concordo plenamente com a crítica do autor. Há momentos com ótimos trabalhos, mas por outro lado, muitas vezes o roteiro se perde na lutas exageradas e na trilha sonora. E impossível dizer se é um bom filme ou um mal filme, devido ao extremo contraste de qualidade.
    O roteiro é bem poético, conotativo. E tudo se resume às lutas que temos que enfrentar na vida.Bom roteiro, se não tivesse perdido o foco.

    ResponderExcluir
  16. Seria um filme melhor se focado mas na realidade dramática da trama principal, que se passa dentro do manicômio, tirando toda a fantasia e exagero que acontece no mundo surreal de sua mente, o filme traria uma boa história dramática, pois fala também sobre a lobotomia algo terrível que graças a Deus foi banido e proibido na maioria dos países.
    ...MAS DE QUALQUER MODO GOSTEI DO FILME,( porque se todo filme trouxesse sempre uma história "inteligente", enredos sérios e com pretensões a óscar, seriam todos mais do mesmo. AINDA BEM QUE EXISTEM FILMES DIVERTIDOS COM HISTÓRIAS SEM SENTIDOS, COISAS IMPÓSSIVEIS, EXÓTICAS, E ATÉ DE MAU GOSTO AS VEZES, POR QUE GOSTO É IGUAL A BUN#@#! CADA UM TEM A SUA.

    ResponderExcluir
  17. Pessimo, pessimo, pessimo pior filme que já vi na minha vida, nem consegui acabar de ver. Tenho pena de quem pagou para ir ver o filme.
    Sinceramente, publicidade enganosa, exagero nos efeitos especiais,.

    Nem comento mais,,,

    ResponderExcluir
  18. Eu, em minha modesta opinião, acho que pelo menos as músicas foram escolhidas de forma coerente e de acordo com o filme. A escolha das músicas não foi ruim.
    Já quanto ao resto não tenho o que dizer.

    ResponderExcluir
  19. Apesar das falhas eu gostei do filme.

    ResponderExcluir
  20. Desculpe a todos que viram e acharam uma merda ( assimc omo eu na primeira vez que ví)..
    Sai do cinema revoltado... d everdade.. xingando quem me indicou...
    Só que lí uma critica que o crítico explica por onde ver o filme... Foi ai que o filme se tornou o melhor do ano pra mim...
    Tente ver o filme na visao da atriz secundaria e nao da "principal"...
    vai se tornar um fantástico filme

    ResponderExcluir
  21. Quem diria que o diretor dos 300, que é um filme que amo, ia fazer uma merda dessa. Parece até filme do Michael Bay. Temos um bando de garotas gostosas com pouca roupa, ao invés de um hospício, para deixar tudo mais sexy é bonitinho a estória se passa dentro de um cabaré dos anos 40. E a dança super sexy da Baybe doll? Alguém viu? Como é que era mesmo? Parecia até loading dos jogos de videogame. Depois da primeira cena de ação, eu passeia a achar tudo extremamente chato. A cena de luta contra os Nazistas a Vapor foi ridícula demais. Pelo menos podiam colocar um pouco de sangue. Mas propaganda e efeitos especiais do que roteiro. Espero que ele não escreva mais nada!

    ResponderExcluir
  22. Filme muito, muito ruim mesmo, perda de tempo. Se quiserem ver alguma garota com pouca roupa é melhor assistir um filme pornor.

    ResponderExcluir

 
Top