9

Com dois Oscars no currículo, Nicolas Cage é conhecido pelas caracterizações um tanto quanto exageradas. Seus personagens geralmente são verborrágicos, gritam muito, e são cheios de trejeitos (basta lembrar de filmes como A Outra Face, A Rocha, Vivendo no Limite e Vício Frenético). O overacting (como é chamado o ‘exagero’) divide opiniões, e o ator recebe tanto críticas quanto elogios. Em Fúria Sobre Rodas, em contrapartida, Cage vive um fora-da-lei frio e calculista, econômico  na demonstração de emoções, e protagoniza um B movie honesto às suas (des)pretensões, e, por congregar vários elementos desta categoria de forma correta, diverte.

Milton (Cage) é um criminoso que fugiu da prisão para vingar a morte da filha, assassinada por Jonah King (Billy Burke), o líder de um culto de magia negra. Na companhia de Pipe (Amber Heard, de Zumbilândia), ele precisa deter a seita em três dias, antes que sacrifiquem sua neta em noite de lua cheia. Na jornada rumo à vingança, Milton cruza com personagens típicos de um ambiente ‘fora-da-lei’ (ou marginalizados) na representação do cinema norte-americano; sujeitos mal encarados e violentos, garçonetes ousadas, beberrões e gordos tarados. O personagem de Cage, com suas peculiaridades, pertence a este universo ilustrado com crueza e exagero que ratificam o ‘tom’ B do projeto. Não é um defeito.  

Fúria Sobre Rodas é um misto de Desejo de Matar (com um certo Charles Bronson) e Um Drink no Inferno. Explorando com eficiência as potencialidades do recurso 3D, Fúria Sobre Rodas tem excelentes sequências de ação, algumas violentas; como vísceras expostas, adagas esbugalhando o olho do indivíduo etc, mas como tem o objetivo de atender (também) ao público jovem e mais acostumado ao ‘mainstream’, a violência gráfica (não explícita) está mais presente ao longo da narrativa. 



O senso de humor (e a falta dele) dos personagens colabora para a manutenção do ritmo narrativo da obra; vale destacar o sanguinário e imprevisível ‘Contador’, um  sujeito misterioso que elimina várias pessoas, enquanto persegue Milton por um determinado motivo. A belíssima Pipe esbanja coragem ao manter-se fiel ao protagonista na sua difícil empreitada, e dispara socos e pontapés com inacreditável destreza. Personagens inverossímeis, rasos? Sem dúvidas. O que dizer da fala do vilão King, quando em determinado momento ameaça uma personagem; “Vou matar você e depois profanar o seu cadáver”. Funciona.

Cage está mais comedido (apesar da cara de choro de sempre) e compõe o protagonista desta obra com correção. O filme do diretor Patrick Lussier, por outro lado, nada tem de comedido. Critiquei em lançamentos recentes os ‘excessos visuais’ despropositados e Fúria Sobre Rodas é, de fato, ‘excessivo’. Mesmo com uma trama bizarra; eis o caso de um filme ‘over’ que funciona. Fúria Sobre Rodas é um filme ‘B’, mas não é bobo.


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

 

Fúria Sobre Rodas 3D (Drive Angry 3D) – 104 min
EUA – 2011
Direção: Patrick Lussier
Roteiro: Todd Farmer, Patrick Lussier
Elenco: Nicolas Cage, Amber Heard, William Fichtner, Billy Burke, David Morse, Todd Farmer, Christa Campbell, Charlotte Ross

Estreia: 01 de abril.

Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter

Postar um comentário

  1. Estou chegando do filme. É "B" mesmo. Mas as músicas... putz.
    Sergio.

    ResponderExcluir
  2. péssimo filme... tosco em seus efeitos especiais e sua trilha sonora tao fraca que parece que so ha uma musica durante todo o filme... nao recomendo... para um filme que tem Nicolas Cage como protagonista esse foi triste...

    ResponderExcluir
  3. Pura diversão! Para curtir sem compromisso, e deliciar-se com os efeitos em 3D e com a exuberancia da atriz que contracena com Cage, Amber Heard. A trilha sonora vale a pena e Willian Fitchner, como Contador, é um show a parte. Recomendo

    ResponderExcluir
  4. Concordo com a Nana, assisti no cinema no dia da estréia e me arrependi.

    ResponderExcluir
  5. QUERO VER o filme! 2 coisas só:
    E essa narração triste em portugues? meu Deus do céu!
    E essa loura sem bunda? não tinha uma outra PELO menos gostosa?
    auhAUuhahu

    ResponderExcluir
  6. Merda de filme, o povo prestava mais atenção nas minhas piadas do que no filme.

    ResponderExcluir
  7. Só vale pelas músicas.

    O filme é PÉSSIMO, a ponto de me estranhar o Nicholas Cage ter atuado em um filme desses. Dinheiro jogado fora (e olha que eu sou muito fã do cara heim...)

    ResponderExcluir
  8. Esse filme entro pro top 5 dos piores que ja vi.
    Não assistam Nicolas Cage ja era

    ResponderExcluir
  9. se existe algo ridiculo ai esta,cage,me surpreendeu o pior filme q ele atuou em todos os aspectos.

    ResponderExcluir

 
Top