4

O espiritismo está se tornando um subgênero no cinema brasileiro, e de grande sucesso comercial: Bezerra de Menezes – O Diário de Um Espírito (de Glauber Filho e Joe Pimentel) chamou a atenção do público em 2008 e deu início à produção de diversas obras que homenagearam o centenário de Chico Xavier, caso de E a Vida Continua, de Paulo Figueiredo, baseado no livro homônimo do médium, e do documentário As Cartas Psicografadas de Chico Xavier, de Cristiana Grumbach, sobre as famílias que buscaram a ajuda do espírita após a perda de entes queridos.

Mas foi o filme Chico Xavier e a megaprodução Nosso Lar que alcançaram marcas recordes de bilheteria e confirmaram a força do gênero: a cinebiografia dirigida por Daniel Filho registrou R$ 6,2 milhões só no final de semana de estreia e a adaptação de Nosso Lar (de Wagner de Assis, baseada num dos livros mais conhecidos do médium mineiro) ultrapassou a marca de 4 milhões de espectadores. As Mães de Chico Xavier encerra as homenagens e deve repetir o êxito na bilheteria, já que traz as características de seus antecessores, a começar pelo ator Nelson Xavier, que volta a interpretar o famoso médium, desta vez com idade mais avançada do que no filme anterior (os próprios produtores consideram este longa a conclusão de uma trilogia sobre Chico).

Dirigido por Glauber Filho e Halder Gomes, e baseado no livro Por Trás do Véu de Ísis, do jornalista Marcel Souto Maior, o filme centra-se na vida de três mães que buscam nas palavras do célebre médium o conforto da perda de entes queridos. E o elenco não decepciona: Via Negromonte utiliza-se do silêncio para mostrar a dor que sente com o péssimo relacionamento com seu filho, dependente químico; Vanessa Gerbelli segura as pontas no papel da mulher ignorada pelo marido e que precisa se erguer após a morte do pequeno filho; e Tainá Müller, que vem conquistando seu espaço desde Cão Sem Dono e Tropa de Elite 2, interpreta uma jovem professora em crise com sua gravidez não planejada. 

Apesar de a produção negar ser este um filme doutrinário, fica evidente a vontade de oficializar a autenticidade do espiritismo, utilizando-se como condutor o jornalista interpretado por Caio Blat, que, se é cético e tira sarro das imagens de Chico Xavier quando recebe a proposta de fazer uma reportagem sobre o médium, torna-se um defensor e divulgador da religião de Allan Kardec ao longo da projeção. Quando o jornalista pergunta ao seu chefe qual a versão ele deve buscar em sua reportagem, a resposta é enfática: “A verdade”.

A linguagem de novela é o maior problema de As Mães de Chico Xavier. É evidente que seu público-alvo é adulto e não espera uma narrativa muito diferente do que está acostumado a ver na TV, mas seu desenvolvimento é lento e pode incomodar. Nosso Lar trazia os efeitos especiais como chamariz e Chico Xavier tinha uma montagem interessante, com flashback e suspense. Já o filme de Glauber Filho e Halder Gomes deixa apenas para o último ato os acontecimentos, forçando o espectador a esperar por algo que ele já sabe que vai acontecer desde o começo do filme.

Enquanto isso, alternam-se diversas imagens de nuvens – que remetem ao Paraíso –, e trilha musical típica das telenovelas globais (que também trazem o espiritismo nas entrelinhas e subtramas). A mensagem antiaborto no final reforça a posição doutrinária, no entanto é coerente com a trama. Agora, o “momento” Ghost – Do Outro Lado da Vida, após uma cena de acidente de ônibus, é totalmente desnecessária e já está bem batida no cinema. 



As Mães de Chico Xavier – 108 min
Brasil – 2011
Direção: Glauber Filho, Halder Gomes
Roteiro: Glauber Filho, Emmanuel Nogueira – Baseado no livro Por Trás do Véu de Ísis, de Marcel Souto Maior
Com: Nelson Xavier, Herson Capri, Caio Blat, Via Negromonte, Tainá Muller, Vanessa Gerbelli, Gustavo Falcão
 
Estreia: 01 de abril.

Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter

Postar um comentário

  1. Ontem foi a pre-estreia deste filme em Florianopolis. Acho que sua critica esta bem de acordo com a minha opiniao. Encaro este tipo de filme como divulgaçao da Doutrina Espirita da qual faço parte. E como tal funciona bem. Gostaria de salientar a interpretaçao de Vanessa Gerbelli que interpreta com primor uma das maes que sofrem a perda do filho. Apesar da lentidao dos dois primeiros atos e de alguns problemas tecnicos vale a pena ver este filme.

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente esse filme ficou pouco tempo em cartaz.
    Quando eu resolvi ir assistir, ele já tinha saído de cartaz.
    Agora é esperar pra assistir em DVD.

    ResponderExcluir
  3. Nao vou poder ver o filme
    "As maes de Chico" no cine?
    Procurei em todos os cines em SP

    ResponderExcluir
  4. Levantou aspectos importantes no tocante a obra enquanto cinema. Caiu contudo em um erro grasso: Religião de Allan Karcec. Kardec ressaltou várias vezes que Espiritismo não é religião.O filme também cai no lugar comum por não explorar esse viés da doutrina. O de não ser uma religião.

    ResponderExcluir

 
Top