0


Quais são os limites da ética na ciência? Quais podem ser as consequências de transpor essas barreiras? Em meio a discussões sobre pesquisas científicas que enfrentam resistência de grupos conservadores, como a de células-tronco, surge Splice – A Nova Espécie, novo filme de Vicenzo Natali, diretor do cultuado Cubo (1997).

Pelo tema, e nomes importantes envolvidos na produção, confesso que as expectativas estavam altas. Não é sempre que se encontra atores do calibre de Sarah Polley, de Madrugada dos Mortos (2004), e Adrien Brody, de Predadores, em um filme de ficção científica, gênero que não possui hoje a mesma glória que tinha no passado. Alguém aí lembrou-se de Alien, o Oitavo Passageiro (1979)?

Tais expectativas até que são bem correspondidas de início. Splice tem clima, personagens interessantes, além de um excelente trabalho de efeitos visuais. Mas o principal, o que o diferencia de outros filmes atuais do gênero costumeiramente ruins , é o foco nos personagens. As relações de culpa e os complexos de Deus da dupla principal permitem o avanço da trama, sendo os sustos (alguns muito bons) utilizados apenas como complemento da narrativa.  



Infelizmente, mesmo com todos esses atributos, a sensação que ficou ao final do filme é de algo genérico. O desenvolvimento da trama, mesmo sendo coerente em seu contexto, culmina em algo condizente com aqueles filmes B exibidos sábado à noite na televisão. Quem já viu A Experiência numa noite qualquer de tédio deve saber do que estou falando. 

Mas até lá eu já havia sido conquistado. Por Dren (Delphine Chanéac), a tal nova espécie, pelos atores, pelo estilo do diretor e pela seriedade com a qual tudo é conduzido. Logo, se não posso dizer que Splice – A Nova Espécie é perfeito, ao menos merece estar naquela categoria de filmes que merecem uma segunda chance. Estreia: 04 de fevereiro.

Splice: A Nova Espécie (Splice) – 104 min
EUA – 2010
Direção: Vincenzo Natali
Roteiro: Vincenzo Natali, Antoinette Terry Bryant, Doug Taylor
Com: Adrien Brody, Sarah Polley, David Hewlett, Delphine Chanéac, Brandon McGibbon, Simona Maicanescu



Compartilhe este conteúdo |

O Cinema está na Rede e também no Twitter

Postar um comentário

 
Top