11


Nicholas Sparks está ficando acostumado com as adaptações de seus romances para as telonas do cinema. Depois dos sucessos de Um Amor para Recordar (2002), Diário de uma Paixão (2004) e Querido John (2010), agora é a vez deste A Última Música, filme estilo sessão da tarde com aquelas batidas doses de lição de moral (prepare seu lenço, pois algumas lágrimas furtivas poderão vir a rolar) e com uma personagem principal chata como sua intérprete (a musa teen Miley Hannah Montana Cyrus), mas que é salvo pelas brilhantes atuações do pequeno Bobby Coleman e do sempre competente e eterno coadjuvante Greg Kinnear, de Melhor é Impossível (1997) e Pequena Miss Sunshine (2006). 

Após a separação de seus pais, Ronnie (Miley Cyrus) vira uma adolescente rebelde e insuportável (a arte imitando a vida?). Só quer saber de ficar sozinha e parece um peixe fora d'água em todo lugar que vai. É uma musicista talentosa (a arte não imitou a vida, neste caso), mas deixa os estudos de lado para ficar distribuindo amargura e patadas a quem quer que passe pelo seu caminho. É o que acontece quando ela e seu irmão Jonah (Bobby Coleman) deixam Nova York e vão passar as férias de verão na casa de seu pai (Greg Kinnear). Ronnie ainda não aceita a separação e mal fala com ele. 

Como a cidade é pequena, as pessoas passam a comentar sobre a forasteira, e até Will (Liam Hemsworth), estereótipo do garotão de praia, que joga vôlei e tem inúmeras garotas aos seus pés, se interessa pela rabugenta Ronnie. O longa transita de forma dinâmica entre o romance (bobo e superficial) e o drama (quando o perdão e a reconciliação entram em cena, ajudados pelo amor à música), mas é difícil Miley Cyrus agradar a uma faixa etária que não seja a dos teenagers. Em uma cena, Jonah diz a Ronnie: "Você pode ser mais velha, mas eu sou muito mais esperto do que você". Se imaginássemos um diálogo entre Bobby Miley, poderia ser algo do tipo: "Você pode ser mais velha, mas eu sou muito mais talentoso do que você". Estreia: 11 de junho.

A Última Música (The Last Song) - 107 min
EUA - 2010
Direção: Julie Anne Robinson
Roteiro: Nicholas Sparks, Jeff Van Wie - Baseado no livro de Nicholas Sparks
Com: Miley Cyrus, Greg Kinnear, Bobby Coleman, Liam Hemsworth, Hallock Beals, Kelly Preston




Por: Mattheus Rocha

Postar um comentário

  1. Talvez, seja o filme mais fraco adaptado do livro de Sparks.

    Miley Cyrus não convence!

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Caro amigo, você escreve muito bem, concordo com a sua opinião sobre o filme, porém a atuação de Miley Cyrus no começo não foi tão convincente, mas a partir da metade do filme, ela começa a atuar bem.

    ResponderExcluir
  3. amei, o seu comentario você tem certeza

    ResponderExcluir
  4. vcs sao idiotas d+ a Miley é um gênio vcs nao sabem disso pq o qi de vcs nao vai até 1.Mas em porcentagem
    nao se preocupem pq vcs tem 0% do q a
    Miley.

    ResponderExcluir
  5. Adorei o filme, uma história carregada de emoções do começo ao fim,a atuação de Miley Cyrus também foi muito boa(apesar de iniciante); o livro, porém, destaca melhor alguns sentimentos que não explicados no filme como o porquê daquela paixão repentina e alguns fatos importantes,também se deve destaque ao pai da protagonista,interpletado por Greg Kinnear,que acrescentou alguns momentos de drama ao filme e que melhorou o enredo, já que sem este iria muito monótono e parecido com tudo.

    ResponderExcluir
  6. Samara, a Miley não é um gênio. Na verdade, ela não passa de um produto da indústria cultural que produz lixo em série para uma grande massa ávida por entretenimento raso. Não se mede o QI de uma pessoa pela capacidade dela perceber se um artista é genial ou não (afinal de contas, o que é genialidade senão subjetividade?). Mas, embora seja fácil, muito fácil, perceber a diferença entre arte e produto, é difícil explicar. Como alguém disse certa vez (não lembro quem: "Eu sei o que é arte, mas não sei definí-la". Mas, podemos exemplificar: já que Miley se diz "cantora" e "atriz", compare o trabalho dela com o de Janis Joplin e Billie Holiday ou a incomparável Meryl Streep. Se Miley é um gênio, o que são essas grandes artistas????
    Eu gostava muito de New Kids on the Block quando mais novo, e com a amadurecimento percebi o quanto aquilo era ruim.

    ResponderExcluir
  7. Filme ruim,atriz ruim.
    Li o livro, e este sim pode se dizer que é muito bom,emocionante. Mas este filme estragou completamente o livro.O filme ficou sem noçao e ainda mais com a Miley Cirus como protagonista, ela n tem emoção alguma, ela só serve para fazer série de criança como Hanna Montana(memo q ela n queira mais isto). eu chorei no livro mas assistindo a este filme nenhuma lagrima rolou.Vejo muita gente elogiando o filme ou a Miley, tento achar algo aproveitavel, só que não consigo achar.
    É como dizem " gosto não se descute" ¬¬

    ResponderExcluir
  8. Acabei de assistir ao filme, a história em si até que boa. Os livros do Spark só tem morte e tristeza. Enfim, a atuação de Miley não foi das melhores, confesso que esperava mais. Vou ler o livro, tenho certeza de que ele é mil vezes melhor do que a adaptação.

    ResponderExcluir
  9. Eu achei que a Myley atuou muito bem, o filme e muito bom e pra mim ela e uma excelente cantora e atriz. E eu acho que cada um tem seu gosto e o direito de gostar ou não....É por isso que o mundo e bom minha gente, ninguem tem gostos iguais!

    ResponderExcluir
  10. ODEIO MINHA ESCOLA, ODEIO MINHA PROFESSORA, ELA FALTA E AINDA SOMOS MANDADO PARA SALA DE VIDEO PARA ASSISTIR ESTA ULTIMA MUSICA, FUUUU

    ResponderExcluir

 
Top